Consultor Jurídico

Aplicativo suspeito

Moro diz à Justiça que desistiu de usar Telegram por não considerá-lo confiável

Em depoimento à 10ª Vara Federal de Brasília, nesta segunda-feira (17/5), o ex-juiz e ex-ministro Sergio Moro afirmou que usou o aplicativo Telegram para trocar mensagens "sem qualquer mancha de irregularidade e sem qualquer espécie de assunto ilícito", mas desistiu em 2017 por não considerá-lo confiável.

Sergio Moro foi ouvido como testemunha em ação penal da Justiça Federal do DF
Marcelo Camargo/Agência Brasil

O juiz das ações do consórcio de Curitiba, autoapelidada "lava jato", foi testemunha na ação penal da operação "spoofing", que prendeu os responsáveis pela invasão hacker aos aparelhos de procuradores do Paraná.

O Ministério Público Federal acusou seis pessoas de organização criminosa, lavagem de dinheiro e interceptações telefônicas ilegais, que acessaram conversas de diversos agentes públicos.

Na mesma audiência, também foi ouvida como testemunha a ex-deputada Manuela D'Ávila (PCdoB), que teria intermediado o contato de um dos hackers com o jornalista Glenn Greenwald, à época no site The Intercept Brasil, que publicou originalmente as reportagens sobre o conteúdo das mensagens. D'Ávila afirmou que a ação do grupo investigado foi um serviço prestado ao país.

Para Moro, segundo informações da Folha de S.Paulo, "as mensagens foram utilizadas de maneira sensacionalista para buscar interromper investigações contra crimes de corrupção e anular condenações de pessoas que se envolveram em crimes de corrupção".

O ex-juiz, que agora trabalha para um consultoria nos Estados Unidos que cuida da recuperação judicial da Odebrecht, uma das "vítimas" da sanha lavajatista, saiu em defesa da força-tarefa e afirmou que todas as ações foram feitas conforme a interpretação da lei. Também alegou nunca ter influenciado o trabalho de investigadores da Polícia Federal.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 17 de maio de 2021, 21h57

Comentários de leitores

3 comentários

Devido processo legal à la carte

Skeptical Eyes (Engenheiro)

Em todas as casas de refeições sempre se dissera o mesmo, ou seja, para que receitas fossem consideradas pratos servíveis elas teriam que ser originárias de autorização prévia do chefe mas a clintela elitizada reclamava por pratos mais apetitosos pois os servidos estavam com o desagradável gosto de penas . Assim a gerência da cozinha mandou rever todos os pratos e prepará-los à rivelia da ordem e mais ao gosto da privilegiada clientela. Em discursos eufóricos garçons bradaram sobre o novo cardápio mas enfatizando que tais decisões eram só orais e não constariam por escrito nos menus, como se fossem especiais e focadas só naqueles clientes.
Assim as indigestas refeições foram servidas aos brasileiros anulando todos os cardápios anteriores com argumentos que esses não seriam escritos. Agora veio E.Cunha na CNN com a mesma conversa mole que resultou nas anulações dos julgados por Moro como se tais não tivessem passado por outras instâncias.....
Juris imprudências !

Kkkkkk

Bruno Castellar (Advogado Autônomo - Administrativa)

Piada!!!
Depois que o cidadão foi hackeado expondo seus sórdidos métodos, o aplicativo não presta! Culpa do aplicativo!

Sempre que leio essas notícias do Russo e Delta, ouço ao fundo a vinheta dos trapalhões.

Final de decada - jogo dos espelhos

Limmals07 (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Certo que tem muita gente bom que ainda acredita em Papai Noel e outras lendas que invadem a nossa imaginação, para justificar encontros, comemorações e celebrações. Entretanto, no Brasil no final da década, surgiram fatos inusitados que buscam tomar lugar das lendas de Papai Noel e Chapeuzinho Vermelho, é a história de uma facada “fake” no estilo pastelão das tardes de TV, mas muito mal feita, pois não se vê o sangue esguinchar e molhar o rosto dos atores ou até mesmo tomar a camisa, como o entardecer ensolarado vai colorindo o final da tarde. Outro fato inusitado, é um tal hacker de Araraquara, só rindo, Imaginar que aquele brasileiro tivesse tal capacidade. Vejo isso como jogo de espelhos, alguém aí já assistiu a transformação de uma bela mulher em uma figura horrenda peluda? Mais ou menos isso. Penso que com tudo isso, os que operam tais situações que nos fazer crer que assim como Papai Noel, Chapeuzinho Vermelho e outras lendas mais, devamos acreditar que um dia em JF ocorreu uma facada ou uma bela tarde em Araraquara, um certo brasileiro recebeu um raio de luz (shazam) e de repente passou a quebrar códigos do Telegram, coisa que nem o Governo Russo e toda sua tecnologia conseguiu. Ao menos tudo isso serve para nos manter desorientados, como ocorre no Jogo dos Espelhos.

Comentários encerrados em 25/05/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.