Consultor Jurídico

Nota de pesar

Presidentes do STF e STJ lamentam as 500 mil mortes por Covid no país

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Luiz Fux, manifestou pesar pelas 500 mil mortes por Covid-19 no país, por meio de uma nota divulgada por sua assessoria de imprensa nesta sexta-feira (19/6).

Leia a íntegra da manifestação:

"No dia em que o Brasil registra 500 mil mortes em razão da Covid-19, o Poder Judiciário brasileiro presta solidariedade às famílias e aos amigos das vítimas.

É preciso relembrar a cada dia que não são apenas números. São mães, pais, filhos, irmãos. Meio milhão de pessoas que partiram e tiveram seus sonhos interrompidos.

Apesar da imensa tristeza, o Supremo Tribunal Federal e o Conselho Nacional de Justiça reafirmam que seguem empreendendo esforços para ajudar a sociedade brasileira a mitigar os impactos desta terrível pandemia."

Ministro Luiz Fux
Presidente do Supremo Tribunal Federal e do Conselho Nacional de Justiça

Humberto Martins, presidente do Superior Tribunal de Justiça, também divulgou nota  de pesar. Leia a íntegra:

"Hoje é um dia de enorme pesar, pois um inimigo invisível conseguiu abreviar meio milhão de vidas no Brasil desde o início da pandemia. Sinto profundamente por cada família que perdeu uma pessoa amada para o vírus. Sigo acreditando na Palavra da Sabedoria quando nos ensina que tudo tem seu tempo determinado e que a misericórdia divina se renova a cada manhã. Tenho fé de que voltaremos ao tempo da normalidade, graças aos esforços da ciência, às ações dos poderes da República e das instituições democráticas e à participação de cada cidadã e cidadão. A humanidade vencerá a Covid-19, desde que homens e mulheres deem as mãos por um mundo com mais igualdade e oportunidades para todos."

Ministro Humberto Martins
Presidente do STJ e do CJF

*Notícia atualizada às 10h de 20/6/2021




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 19 de junho de 2021, 19h48

Comentários de leitores

3 comentários

Números irreais

O ESCUDEIRO JURÍDICO (Cartorário)

Aproximadamente, temos três milhões de falecidos em decorrência da COVID-19.
Não se revelam os números reais para que a população não fique apavorada, já preocupada com aquele demente em Goiás, o Senhor Lázaro Barbosa de Sousa.

Pelo fim da excrescência perniciosa, inútil cpi covid-19

VASCO VASCONCELOS -ANALISTA,ESCRITOR E JURISTA (Administrador)

Por Vasco Vasconcelos, escritor, jurista e Abolicionista. Palmas p/o depoimento transparente e honesto do ex—ministro da Saúde, General Eduardo Pazuello e da renomada cientisista Dra. Nise Yamaguchi,
É vergonhoso deparar com certos cães raivosos querer crucificar pessoas que conseguiram subir na vida graças ao "Self-Made man " (esforço próprio). Avisem àquelas figuras pálidas e peçonhentas, que a pandemia não acabou. Continua ceifando milhares de vidas. Se essas figuras tivessem propósitos, preocupadas com o respeito a vida, ao invés de querer condenar inocentes, deveriam, com vistas a salvar vidas humanas, convocar grandes especialistas, médicos conceituados, a disseminar os remédios que estão salvandos vidas no país e no mundo, notadamente no Brasil o país que tem maior números de pessoas curadas no mundo. Enfim, parem com essa tortura da CPI DA COVID. A população já está estomagada com as raposas políticas e não aceita golpes baixos. Parem de querer passar a rasteira no MITO, Presidente Jair Bolsonaro. A população vem dando mostras através das últimas manifestações pacíficas que apoiam o Governo do Mito, eleito democraticamente com quase 58 milhões de votos. Vamos respeitar o sufrágio das urnas, a independência dos poderes e as prerrogativas constitucionais do grande estadista e homem público, Presidente da República Jair Bolsonaro. Se essas figuras peçonhentas continuarem infernizando a vida do Presidente Bolsonaro, sofrerão nova derrota ACACHAPANTE em 2022. Parem com essa patuscada. Se esses camaradas da nefasta CPI COVID -19, tivessem propósitos convocariam os Governadores, Secretários de Saúde, Prefeitos, e outros agentes públicos, envolvidos em escândalos de corrupção, principais responsáveis pelos efeitos e negligência de tudo q aí está.

E conhecereis a verdade e a verdade vos libertará

VASCO VASCONCELOS -ANALISTA,ESCRITOR E JURISTA (Administrador)

Por Vasco Vasconcelos escritor jurista e abolicionista contemporâneo Brasília DF Brasil
A oposição bizarra tem todo direito de utilizar o jus sperniandi” (espernear à vontade )até as próximas eleições sujeita a nova derrota acachapante principalmente se for implantado o voto impresso nas próximas eleições. E podem fabricar pesquisas pré pagas que não vão derrubar o grande estadista e homem público Presidente Jair Bolsonaro, eleito democraticamente com quase 58 milhões de votos. As raposas políticas deste país precisam respeitar o sufrágio das urnas e independência dos Poderes e as prerrogativas constitucionais de sua Excelência o Presidente da Republica Jair Bolsonaro.
ISSO É FATO:
O grande erro do grande estadista e homem público Presidente Jair Bolsonaro, foi não roubar e não deixar roubar. Como assim? Até agora o Governo Federal já repassou para os Estados, DF e Municípios, mais de UM TRILHÃO E DUZENTOS BILHÕES DE REAIS PARA ATENDER DESPESAS NO COMBATE AO COVID-19, sem nenhum tipo de discriminação, independentemente do partido político. Porém, aumentou o combate a fiscalização. O que se viu foram Secretários de Saúde presos pela Polícia Federal em face superfaturamento das compras de EPI ( equipamentos de proteção individual), (...) e outras roubalheiras e ainda tem a desfaçatez de querer culpar o Mito, pelo aumento do número de óbitos? Lembre-se que o Egrégio STF, castrou os poderes de sua Excelência com relação a interferência nos Estados, DF e Municípios. Se os governadores, prefeitos , e secretários de saúde não fizeram o dever da casa, é uma grande injustiça e irresponsabilidade querer jogar a culpa no nosso grande estadista Presidente Jair Bolsonaro. Não obstante até agora o Brasil é o 5º país do mundo que mais vacinou

Comentários encerrados em 27/06/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.