Consultor Jurídico

O novo e o velho

Ex-ministro critica o STF: "Excesso de autoridade e escassez de leitura"

"Uma das principais queixas dos advogados a respeito da Justiça brasileira, mas especialmente do STF, neste momento, é a de que há um excesso de autoridade convivendo com a escassez de leitura." A afirmação foi feita pelo ministro aposentado do Supremo Tribunal Federal e juiz da Corte Internacional de Justiça da ONU, Francisco Rezek, em palestra nesta segunda-feira (14/6).

Livro trata dos avanços nos direitos do imigrantes conquistados com nova lei
Antônio Cruz/Agência Brasil

A palestra aconteceu em evento do Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB) para lançamento do livro A nova lei de migração e os regimes internacionais. O ministro escreveu o prefácio da obra. Também fizeram palestras a ministra do Superior Tribunal Militar Maria Elizabeth Guimarães Teixeira Rocha, e o ministro do Superior Tribunal de Justiça Sérgio Luiz Kukina, que contribuíram com artigos para a obra.  

Ao recomendar a leitura do livro, Rezek continuou na sua crítica ao Supremo: "Eles não estão lendo nada, nem os memoriais apresentados pela advocacia, muito menos as obras doutrinárias que poderiam ajudá-los a exercer a sua autoridade, sem arbitrariedade, improvisações e amadorismo". Sobre a obra lançada, afirmou que "o tema do livro é tratado com o necessário rigor científico por seus autores".   

Migração e Direito
Tarciso Dal Maso Jardim
, que é membro efetivo do IAB e consultor legislativo do Senado na área de Relações Exteriores e Defesa Nacional, fez a apresentação da obra. O livro trata das inovações trazidas pela Lei de Migração (Lei 13.445/2017), que substituiu o Estatuto do Estrangeiro (Lei 6.815/1980). “A nova lei está pautada nos direitos humanos e não trata mais o imigrante como uma ameaça à segurança nacional, conforme a lei editada durante a ditadura militar”, afirmou.  

"O livro traz os novos e avançados paradigmas a serem adotados nas políticas de acolhimento aos imigrantes", elogiou a diretora de biblioteca do IAB, Marcia Dinis, condutora do evento. A presidente nacional do IAB, Rita Cortez, participou do encerramento e citou o envio de um ofício ao presidente da República, Jair Bolsonaro, solicitando a edição de medida provisória para garantir aos imigrantes estrangeiros o acesso à rede pública de saúde na pandemia e aos auxílios emergenciais pagos pelo governo federal.

"O Direito Internacional é um conjunto de normas indispensável à promoção do processo civilizatório, à regulação das relações externas entre os povos, à definição das responsabilidades dos estados e do tratamento aos indivíduos dentro de cada fronteira, e à formação da comunidade global", defendeu a ministra Teixeira Rocha

Quanto a lei anterior, a professora de Direito Internacional Público no Centro de Ensino Unificado de Brasília (Ceub), Ana Flávia Velloso, afirmou que ela era anacrônica, autoritária e absolutamente incompatível com a nossa Constituição Federal. "Medidas para a retirada forçada dos imigrantes do território nacional existem nas duas leis, mas a nova lei humanizou esses institutos, ao prever políticas públicas de apoio a eles, como também suporte jurídico a ser oferecido pela Defensoria Pública da União", continuou.

A respeito da Lei de Migração e do livro, Ana Flávia Velloso também disse: “A nova lei é exemplar e acolheu a evolução ocorrida, nos últimos tempos, no Direito Migratório, e espero que o livro contribua para uma parte muito importante desse processo, que é a devida aplicação do que está previsto na legislação”.  

Filho de imigrante que deixou a Iugoslávia aos 19 anos para começar uma nova vida no Brasil, Sérgio Luiz Kukina falou sobre o detalhamento, na nova legislação, das condições previstas para a abertura e a conclusão dos processos de expulsão de imigrantes. Com a nova legislação exige-se que o julgador atue com cautela, pois são muitos pontos a serem considerados, garante o ministro.

O ministro do STJ também comentou a mudança a respeito da autoridade incumbida de decidir pela expulsão de um imigrante. “Pelo Estatuto do Estrangeiro, o ato de expulsão cabia ao presidente da República, e como não há na nova lei uma previsão expressa, o decreto que a regulamentou definiu ser essa uma competência do ministro da Justiça”, disse, em referência ao Decreto 9.199, de 20 de novembro de 2017. Com informações da assessoria de imprensa do IAB.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 15 de junho de 2021, 15h32

Comentários de leitores

4 comentários

sem papas na língua

Cidrac Pereira de Moraes (Advogado Autônomo - Criminal)

Coisa mais rara no meio jurídico. Para mim o melhor que li neste primeiro semestre. Crítica direta, com nome aos bois, e o que é melhor, em tempo oportuno. Muito grato Rezek, não pare, mantenha essa pegada!

Problema que se espraia pelo Judiciário como um todo

AP Advogado (Advogado Autônomo - Criminal)

As consequências apontadas pelo jurista procedem e podem ser verificadas no Judiciário como um todo: "arbitrariedade, improvisações e amadorismo".

Acrescento outra, covardia. Enquanto a juizada tiver medo da opinião publica e dos promotores de justiça esqueçam.

Triste realidade

Tiago Alves Pinto (Advogado Autônomo - Criminal)

Não é só o STF que está com "Excesso de autoridade e escassez de leitura". O judiciário como um todo está assim. É raro um juiz que lê a peça da defesa, principalmente na esfera penal. E só falta fundamentar as prisões com "está preso porque eu quero e ponto final.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 23/06/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.