Consultor Jurídico

Modelo federal

Convocação do procurador-geral de Justiça pela Alesp é inconstitucional

Por entender que a norma rompe com o modelo federal, o Plenário do Supremo Tribunal Federal declarou a inconstitucionalidade de regra da Constituição de São Paulo que autoriza a Assembleia Legislativa paulista (Alesp) a convocar o procurador-geral de Justiça e requisitar-lhe informações, sob pena de imputação da prática de crime de responsabilidade em caso de descumprimento. A decisão foi tomada em sessão virtual concluída em 7 de junho.

Convocação do procurador-geral de Justiça pela Alesp é inconstitucional, disse STF
Fernando Stankuns/Wikimedia Commons

Na ação direta de inconstitucionalidade, a Procuradoria-Geral da República argumentou que o mecanismo de fiscalização dos atos do Poder Executivo pelas assembleias legislativas e as câmaras municipais é legítimo. Entretanto, defendeu a aplicação simétrica ao que estabelece a regra federal sobre a convocação de autoridades subordinadas diretamente ao chefe do Executivo. Segundo essa argumentação, a inclusão do procurador-geral de Justiça, como estabelece a norma paulista, contraria a Constituição Federal.

Modelo federal
Em seu voto, seguido por unanimidade, o relator, ministro Marco Aurélio, destacou que a Constituição Federal garante ao Congresso Nacional o poder de requisitar informações, pessoalmente ou por escrito, de ministros de Estado e titulares de órgãos diretamente subordinados à Presidência da República e sujeita essas autoridades à imputação de crime de responsabilidade em caso de recusa, não atendimento ou prestação de informação falsa.

A Constituição paulista, por sua vez, também assegurou à Assembleia Legislativa essa prerrogativa, mas ampliou o rol de autoridades sujeitas à imputação de crime de responsabilidade. "A sistemática rompe com o modelo federal previsto no artigo 50 da Constituição de 1988", afirmou.

Ele lembrou que o Plenário do STF, em diversas oportunidades, assentou a inconstitucionalidade de regras das Constituições estaduais que alargavam as atribuições fiscalizatórias do Legislativo.

Ainda segundo o relator, a previsão de crime de responsabilidade é matéria de Direito Penal, cuja competência privativa é da União. Por fim, o ministro ressaltou que os reiterados pronunciamentos do tribunal nesse sentido resultaram na edição da Súmula Vinculante 46. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

ADI 5.289




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 13 de junho de 2021, 12h28

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 21/06/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.