Consultor Jurídico

Ausência de má-fé

TST restabelece nulidade de penhora sobre imóvel vendido a terceira pessoa

A 4ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho restabeleceu sentença que havia anulado a penhora de um imóvel adquirido de um devedor trabalhista por terceira pessoa.

ReproduçãoTST restabelece nulidade de penhora sobre imóvel vendido a terceira pessoa

Para o colegiado, não tendo sido comprovada a má-fé do comprador nem a sua ciência de que, na época do negócio, corria ação trabalhista capaz de reduzir o devedor à insolvência, não há como presumir a fraude à execução. 

O Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região declarou a existência de fraude à execução, por entender que o contrato preliminar de compra e venda somente fora registrado após a distribuição da ação e depois da citação do devedor. Segundo o TRT, nesse caso, a responsabilidade do comprador é presumida.

Para a 4ª Turma do TST, no entanto, o requisito para a constatação da fraude à execução não é puramente objetivo, como fundamentou o Tribunal Regional. “É necessária a análise do elemento subjetivo, qual seja, a existência de má-fé do terceiro adquirente”, afirmou o relator, ministro Caputo Bastos.

Segundo ele, ainda que a venda do imóvel tenha ocorrido após o ajuizamento da ação, sem a comprovação de que o comprador tenha agido de má-fé ou tivesse conhecimento da ação na época da compra, não há como presumir a fraude à execução. A decisão foi unânime. Com informações da assessoria de imprensa do TST.

RR-6-58.2015.5.01.0024




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 9 de junho de 2021, 19h50

Comentários de leitores

1 comentário

ixi...

Antonio sociedade civil em Segurança Pública (Prestador de Serviço)

Adeus direitos trabalhistas via execução do patrão. Viu que vai dar Me... vende antes mesmo da ação ser ajuizada.

Responder

Ver todos comentáriosComentar