Consultor Jurídico

lista tríplice

PGR questiona normas para escolha de delegado-chefe da Polícia Civil de Rondônia

O procurador-geral da República, Augusto Aras, ajuizou ação direta de inconstitucionalidade no Supremo Tribunal Federal contra normas de Rondônia que regulamentam a nomeação do delegado-geral da Polícia Civil pelo governador do estado. Os dispositivos questionados preveem que o Conselho Superior de Polícia forme uma lista tríplice.

Augusto Aras, procurador-geral da República, autor da ação 
Rosinei Coutinho/STF

Aras aponta que, além da lei complementar estadual sobre o assunto, as regras foram inseridas na Constituição rondoniense por meio de emenda de iniciativa parlamentar.

Segundo o PGR, o tema é de iniciativa privativa do chefe do Executivo, que tem competência para dispor sobre o regime jurídico dos servidores estaduais e o provimento de cargos da Administração Pública.

De acordo com Aras, a partir da edição da legislação, a escolha do chefe da Polícia Civil deixou de ser uma prerrogativa incondicionada do governador, devido à exigência da lista tríplice formada por um órgão interno da própria corporação.

O PGR também alega que as normas frustram o poder de direção superior do chefe do Executivo, "inerente e imprescindível ao pleno exercício da política de segurança pública".

Na última semana, o Supremo já declarou inconstitucionais outras normas locais que conferiam autonomia administrativa, financeira e funcional à Polícia Civil de Rondônia e do Distrito Federal. Os dispositivos eram objetos de outras duas ADIs ajuizadas pelo PGR. Com informações da assessoria do STF.

ADI 6.923




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 14 de julho de 2021, 11h44

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 22/07/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.