Consultor Jurídico

Há que Justificar

Ministra do STJ revoga preventiva de homem preso por mais de um ano

Por 

Por considerar vagos os fundamentos da decisão que negou o direito de recorrer em liberdade, a ministra Laurita Vaz, do Superior Tribunal de Justiça, determinou a soltura de um condenado que já havia ficado preso preventivamente por mais de um ano.

CNJ

O homem, primário e menor de 21 anos, foi preso em flagrante em janeiro de 2020, com apreensão de 40 gramas de cocaína. Ele permaneceu preso durante toda a instrução processual. Em fevereiro de 2021, ele foi condenado a cinco anos de reclusão em regime fechado por tráfico de drogas. A 2ª Vara Criminal de Mogi das Cruzes (SP) também manteve a prisão preventiva do réu.

A defesa, feita pelo escritório Fortes, Lopes, Siebner Advogados, impetrou Habeas Corpus perante a 15ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo. O desembargador Gilberto Ferreira da Cruz negou o pedido, com o argumento de que "o direito de apelar em liberdade de sentença condenatória não se aplica a réu já preso desde o início da instrução criminal, em decorrência de flagrante ou de preventiva".

Após novo HC, em março deste ano a ministra relatora considerou que a decisão não justificou "concreta e adequadamente em que medida a liberdade do acusado poderia comprometer a ordem pública ou econômica". Ela ainda levou em conta a pequena quantidade de droga apreendida e a situação atual da crise de Covid-19 para afastar a continuidade da prisão preventiva.

Clique aqui para ler a decisão
HC 655.255




Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 2 de julho de 2021, 20h20

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 10/07/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.