Consultor Jurídico

Vida Privada

Juíza nega pedido para quebrar sigilo do cartão de vacinação de Bolsonaro

Por 

Juíza negou pedido para derrubar sigilo do cartão de vacinação de Jair Bolsonaro
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Todo e qualquer indivíduo tem direito a proteção a sua privacidade e intimidade, direitos sem os quais não haveria estrutura mínima sobre a qual se fundar o Estado Democrático de Direito.

Com base nesse entendimento, a juíza Adverci Rates Mendes de Abreu, da 20ª Vara Federal Cível do Distrito Federal, decidiu negar pedido para derrubar o sigilo imposto ao cartão de vacinação do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

A decisão foi provocada por ação popular da deputada federal Gleisi Hoffman (PT-PR) que pedia que a Justiça obrigasse o governo a mostrar o documento sob o argumento que há interesse público na consulta.

Para a parlamentar, manter o sigilo do cartão de vacinação do presidente em meio ao debate sobre a necessidade de vacinação é inconstitucional.

Ao analisar a matéria, a julgadora, no entanto, entendeu que, apesar de ocupar o mais alto cargo do executivo, Bolsonaro tem direito a preservação de sua privacidade. A magistrada também apontou que a ação popular exige muito mais que “meras conjecturas e elucubrações sobre a intimidade ou vida privada de quem ocupa um cargo público”.

“Em que pese a amplitude que se deve dar a esse instrumento da cidadania, ausente lesão mínima e inexistente ofensa material a um dos bens jurídicos protegidos, a extinção do feito, por inadequação da via eleita, é medida que se impõe”, afirmou.

Clique aqui para ler a decisão
1000882-27.2021.4.01.3400




Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 21 de janeiro de 2021, 15h33

Comentários de leitores

1 comentário

Justiça nega ...

Arlete Pacheco (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Isso é o que acontece quando o eleitor não escolhe com a devida cautela aqueles que se dizem seus representantes. Uma vez um ministro disse, com muita propriedade, ao se referir às eleições, que o eleitor não é vítima, é cúmplice!!!

Comentários encerrados em 29/01/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.