Consultor Jurídico

Sarnas para coçar

Trump se recusa a pagar advogado que tentou reverter eleição nas cortes

Por 

Frustrado com o insucesso de sua campanha para reverter o resultado da eleição presidencial nas cortes e com seu segundo impeachment, o presidente Donald Trump está se recusando a pagar os honorários de US$ 20 mil por dia ao advogado Rudy Giuliani, que liderou boa parte das 60 ações malsucedidas, movidas em meia dúzia de estados onde seu adversário, Joe Biden, venceu.

As informações foram dadas por duas fontes da Casa Branca ao Washington Post, The Guardian, CNN, Business Insider e outras publicações. Trump também ordenou a seus assessores para não pagar as despesas relatadas por Giuliani, a não ser que ele mesmo as aprovasse, uma a uma. E orientou a secretária e assessores para não lhe passar telefonemas de Giuliani.

Consultado pelo The Guardian, o ex-assessor de imprensa de Giuliani respondeu com um provérbio que adaptou para a ocasião: "Se você dorme com um cachorro, vai acordar com pulgas ... e sem 20 mil dólares por dia". O provérbio significa que quando você se associa a uma pessoa com uma reputação ruim (como a de não pagar) ou de mau caráter, em algum momento terá sarnas para se coçar.

Mas os problemas de Giuliani não acabam aí. Por sua atuação na empreitada de Trump para invalidar os votos de milhões de eleitores e permanecer na Presidência, Giuliani, que foi um respeitado prefeito de Nova York na época do atentado às torres gêmeas, está atolado em problemas agora.

Entre outros, ele está sob investigação federal, poderá responder juridicamente e financeiramente nas cortes por mover ações frívolas, está sendo investigado pela seccional da American Bar Association (ABA) em um processo de cancelamento da licença para advogar e poderá enfrentar um processo por difamação.

A investigação federal diz respeito, principalmente, a sua participação no comício em que Trump incitou milhares de ouvintes a marchar para o Congresso, que iria se reunir mais tarde para homologar os votos do Colégio Eleitoral a favor de Joe Biden.

Giuliani teria feito um discurso incendiário nesse comício. Entre outras coisas, ele disse: "Estou querendo colocar minha reputação em jogo, o presidente está querendo colocar sua reputação em jogo, sobre o fato de que vamos encontrar criminalidade lá." E acrescentou: "Vamos ter um julgamento por combate." Tal como Trump, ele poderá responder por incitação à insurreição contra os Estados Unidos.

A cidade de Detroit e o estado de Michigan pediram a um juiz federal para impor sanções aos advogados, entre os quais Giuliani, que moveram ações consideradas frívolas. Isso deve incluir sanções monetárias por violação das regras contra ações frívolas.

O deputado estadual por Nova York Brad Hoylman apresentou uma queixa em um tribunal de recursos, em que pede o cancelamento da licença para advogar de Giuliani. Ele alega "cumplicidade" de Giuliani na incitação de Trump para invadir o Congresso e violações flagrantes dos padrões de conduta ética.

Dois deputados federais escreveram uma carta à seccional da ABA no estado de Nova York, pedindo uma investigação de Giuliani, por sugerir um "julgamento por combate". A seccional informou que, por seu papel na "insurreição violenta", foi aberto uma sindicância que poderá resultar no cancelamento da licença de Giuliani, segundo o Washington Post.

A fabricante de urnas eletrônicas Dominion Voting Systems anunciou que deverá mover uma ação indenizatória por difamação contra Giuliani e outras partes, tal como fez com a advogada Sydney Powel.

A Dominion está pedindo uma indenização de US$ 1,3 bilhão e adiantou, na ação, que não pretende fazer acordo com a advogada que lhe causou um prejuízo enorme. Entre outras coisas, a advogada disse que a urna da Dominion foi concebida pelo ex-presidente da Venezuela, Hugo Chaves, com mecanismos embutidos para fraudar eleições. E que a máquina teria transferido votos a favor de Trump para Joe Biden.

A advogada Cleta Mitchell também foi processada pela Dominion por difamação. Ela também assessorou Trump no episódio do telefonema a autoridades da Geórgia, em que o presidente pediu a elas para encontrar 11.780 votos para reverter a eleição no estado. A banca em que ela trabalhava, Foley & Lardner, abriu uma investigação interna. Logo em seguida, ela deixou a banca.

De acordo com as fontes da Casa Branca, Trump está furioso com seus advogados, políticos republicanos e até mesmo com seus assessores mais diretos por não o defenderem devidamente no processo de impeachment.

Ele se queixa especialmente da secretária de imprensa Kayleigh McEnany, de seu assessor sênior e genro Jared Kushner, de seu assessor econômico Larry Kudlow, de seu assessor de segurança nacional Robert O’Brien e de seu chefe de gabinete Mark Meadows. Diversos secretários e assessores pediram demissão depois da invasão do Congresso. Muitas salas da Casa Branca estão vazias. As pessoas que ainda estão lá evitam se encontrar com Trump, disseram as fontes.




Topo da página

 é correspondente da revista Consultor Jurídico nos Estados Unidos.

Revista Consultor Jurídico, 15 de janeiro de 2021, 10h04

Comentários de leitores

4 comentários

Pois é, grande Ken Pxton, enfrentando o FBI

Ramiro. (Advogado Autônomo - Criminal)

Só podia ser certo procurador de estado enfrentando sérias acusações federais.

https://www.nbcdfw.com/news/local/texas-news/in-fbi-probe-texas-ag-paxton-faces-aggressive-ethical-prosecutor/2509654/

https://apnews.com/article/criminal-investigations-dallas-ken-paxton-coronavirus-pandemic-crime-3657864db01b3e2525f53f8f523af316

Por acaso indiciado há cinco anos atrás e ainda não levado a julgamento...

https://www.texastribune.org/2019/06/19/ken-paxton-criminal-case-timeline-texas-attorney-general-fraud/

Pois é, grande FBI, destruindo provas

Rejane G. Amarante (Advogado Autônomo - Criminal)

No Estado da Geórgia, estava em andamento uma perícia forense dos votos da eleição presidencial e, de repente, o FBI "reivindicou" jurisdição e levou as provas e inutilizou.
[Publicado no site Gateaway Pundit em 09JAN21]
"FBI claims jurisdiction and yesterday took control of shredded ballots being analyzed in Georgia - sends them back to shredder"
(...) "The FBI in Georgia stopped the forensic analysis of shredded ballots, took the ballots away from the forensic team and brought them back to the shredder" (...)
(...) "The Deep State is stealing evidence in Georgia related to the 2020 election" (...)

[https://www.thegateawaypundit.com/2021/01/breaking-fbi-claims-jurisdiction-yesterday-took-control-shredded-ballots-analyzed-georgia-sends-back-shredder/]

Desinformação

Rejane G. Amarante (Advogado Autônomo - Criminal)

A matéria é baseada em "fontes" da Casa Branca, "ex" assessor de imprensa de Giuliani, etc., etc.
A empresa Dominion vai processar quem disse que houve fraude, só que as advogadas citadas basearam-se em laudos de "experts" em Informática e depoimentos de pessoas que trabalharam na apuração.

Attorney General Ken Paxton

Rejane G. Amarante (Advogado Autônomo - Criminal)

O Procurador-Geral do Texas, Ken Paxton, em seu site oficial, publicou, em 13JAN21, a notícia da prisão de uma mulher que participou da fraude eleitoral na eleição presidencial de 2020.

"AG Paxton : San Antonio Election Fraudster Arrested For Widespread Vote Harvesting and Fraud"
[https://www.texasattorneygeneral.gov/news/releases/ag-paxton-san-antonio-election-fraudster-arrested-widespread-vote-harvesting-and-fraud]

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 23/01/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.