Consultor Jurídico

Pena chega a 332 anos

Bretas condena Cabral por corrupção em contratos de rodovias do Rio de Janeiro

O juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, condenou o ex-governador Sérgio Cabral (MDB) a 11 anos e três meses de prisão por corrupção passiva em contratos da Fundação Departamento de Estradas de Rodagem do Rio (DER-RJ).

Cabral está colaborando com a Justiça para tentar reduzir sua pena
Alex Ferro/ Rio 2016

Com a sentença, a pena total de Cabral ultrapassa 332 anos de prisão. Ele está encarcerado desde novembro de 2016.

Os outros condenados foram o ex-presidente da fundação Henrique Ribeiro (20 anos, nove meses e 25 dias de prisão), o ex-chefe de Gabinete Lineu Martins (16 anos, seis meses e 25 dias de prisão), o ex-secretário de Governo Wilson Carlos (14 anos e dois meses de prisão) e o operador financeiro da organização criminosa do ex-governador, Luiz Carlos Bezerra (sete anos e nove meses de prisão).

O advogado Márcio Delambert, que defende Sérgio Cabral, disse ao jornal O Estado de S. Paulo que “a sentença reconheceu a condição do ex-governador como colaborador da justiça, mas a defesa vai recorrer, pois não concorda com as penas aplicadas”.

Denúncia do MPF
Em dezembro de 2017, o Ministério Público Federal denunciou os cinco, agora condenados, por crimes no DER-RJ. Similar ao implementado na Secretaria de Obras, o esquema de propina na fundação, segundo os procuradores, contava com o auxílio de Wilson Carvalho, operador administrativo do grupo.

De acordo com o MPF, Cabral, Wilson Carlos e Henrique Ribeiro receberam R$ 18,1 milhões em propina para beneficiar a empreiteira União Norte Fluminense Engenharia em obras em rodovias estaduais administradas pelo DER-RJ.

Responsável por receber as propinas em contratos do DER-RJ, Henrique Ribeiro tinha como braço direito Lineu Martins (então seu chefe de gabinete), que atuava como seu operador financeiro, entre 2008 e 2014, apontou o MPF. Conforme o órgão, a movimentação de valores se dava por dinheiro em espécie e este era internalizado no caixa dos criminosos, sendo, posteriormente, distribuído aos seus integrantes e parentes.

As obras que tiveram pagamento de propina, segundo o MPF, foram a pavimentação da rodovia RJ 230, pavimentação da Região Norte do Estado do Rio de Janeiro, obras de conservação de São Fidélis, obras na rodovia RJ 220 e obras na rodovia RJ 186. Com informações da Assessoria de Imprensa do MPF.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 13 de janeiro de 2021, 20h13

Comentários de leitores

2 comentários

O velho Bretas

Jose U C Vieira (Advogado Assalariado - Tributária)

Esse Juiz não se cansa de usar a imprensa escandalosamente para aparecer e ser candidato a uma vaga no Supremo. Esse senhor ex governador do Rio de Janeiro caso cumpra as penas a grosso modo perpétuas vai dever anos de condenação para a próxima encarnação. No entanto Esse juiz continua gastando o tempo precioso e caro dele para aparecer na imprensa. A vaga no Supremo ele pode esquecer. Não terá chance embora tente puxar o saco do Presidente. Também gostaria de saber se moralmente dr Bretas vai devolver o Auxílio Moradia que recebeu tendo imóvel próprio e como se sabe a esposa dele também Juiz igualmente recebeu o Auxílio Moradia que foi temporariamente legal e a todo tempo imoral. Para de gastar vela com Defunto ruim Juiz Bretas. Com ctz seu gabinete está lotado de processos a espera de uma decisão.

Apurar tudo é preciso...

LuizD'grecco (Outros)

Discordo do DR. Vieira, é preciso apurar todos os crime do Ex-Gov. Cabral, é um investimento de suma importância para corroborar com as tecnicas de investigação contra corruptos. A cada condenação uma surpresa, um aprendizado. Sem falar que os crimes cometidos por qualquer paciente devem ser apurados, caso contrario não haveria os serial kiler, e outras modalidades de crimes permanentes.

Lembro-me de uma foto de Cabral ao centro tendo de um lado Claudio Lopes PGJ-RJ e de outro lado, Marfan Vieira PGJ-RJ por oito anos, ambos coladinhos, dando a impressão de que estariam simulando uma blindagem ao então Gov Cabral. Um desses procuradores já caiu, o outro balança mas não cai, e mantém sua influência ainda muito forte na instituição MPE-RJ. Esse é só um dos exemplos marcantes de que o MM. Juiz Bretas está fazendo justiça e aumentando a captura de criminosos parceiros do cabra que destruiu o Rio de Janeiro.

Fica aqui meu elogio ao Juiz Bretas no tocante ao tema e aos comentários do Dr. Vieira.

Por outro lado, concordo e gostaria de saber porque o tão competente juiz se deixou levar pelo episódio do auxílio moradia. Quero acreditar que houve algum mal entendido, alguma distração ou alguma justificativa pelo ocorrido.

Por resumo eu concordo que todo bandido, em especial os do colarinho branco, os bandidos de toga, os politicos, as autoridades de policia, e outros, devam responder por todos os crime cometidos.

Comentários encerrados em 21/01/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.