Consultor Jurídico

Revolta da Vacina

Após ministro reclamar, STF inclui notícias sobre demissão de médico em clipping

O ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal, enviou ao presidente da Corte, ministro Luiz Fux, um ofício questionando o motivo de duas reportagens, uma da Folha de S. Paulo e outra do Estado de S. Paulo, não terem sido incluídas no clipping diário produzido pela Secretaria de Comunicação do STF. O clipping é a seleção das principais manchetes de um determinado dia.

Ministro reclamou de falta de notícias sobre demissão de médico
Carlos Moura/SCO/STF

As notícias que não foram reproduzidas tratam da demissão do médico Marco Polo Dias Freitas, secretário de Serviços Integrados de Saúde da Corte. O documento enviado a Fux também foi encaminhado aos demais ministros do Supremo.

"O clipping geral de hoje, do Supremo, trouxe duas folhas de rosto, a saber: do jornal Folha de S. Paulo/Nacional e d’O Estado de São Paulo. A primeira, com a chamada: 'Médico do STF contesta versão de Fux sobre vacinas'. A Segunda, revelando matéria com o título: 'Demissão de médico gera atritos para Fux no STF'. Ocorre que o conteúdo do clipping não se fez com a reprodução do que publicado. Ante os ares democráticos vivenciados, somente cabe atribuir a omissão a falha ao reproduzir-se o teor das notícias. Sim, o clipping veio sem o que publicado. Considerando o quadro, requeiro a vossa excelência seja esclarecido", diz o ofício, assinado em 30 de dezembro. 

Nesta quinta-feira (31/12), Delorgel Valdir Kaiser, secretário de Comunicação Social do STF, respondeu ao questionamento de Marco Aurélio. "Cumprimentando cordialmente vossa excelência, e considerando a falha na montagem do clipping diário do STF, encaminhamos em anexo o volume completo das matérias relativas ao dia 30/12/2020".

Reserva de vacinas
As duas reportagens citadas por Marco Aurélio tratam da demissão do médico Marco Polo Dias Freitas. A exoneração, assinada por Fux, ocorreu depois que veio a público um pedido para que sete mil doses de vacinas contra o novo coronavírus fossem reservadas para o Supremo.

O documento, remetido à Fiocruz, é assinado pelo diretor-geral do STF, Edmundo Veras. O médico exonerado é citado apenas no final do ofício, apontado como responsável pela campanha de vacinação no STF. 

No último dia 23, dias depois do ofício ser enviado à Fiocruz, Fux defendeu a reserva de vacinas, em entrevista à TV Justiça. No entanto, quando a solicitação veio a público, o ministro disse que não sabia que o pedido pelos imunizantes havia sido feito. 

O médico, por sua vez, disse nunca ter assinado, em 11 anos de STF, "nenhum ato administrativo sem a ciência e a anuência" dos superiores hierárquicos. "Continuarei, como médico, de corpo e alma, na luta diária pela saúde e bem-estar das pessoas". As notícias sobre esse episódio foram as que ficaram de fora do clipping do Supremo.

Formado em Medicina pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Freitas tem especialização em geriatria, mestrado em clínica médica, doutorado em Ciências da Saúde e pós-graduação em saúde baseada em evidências. Era médico clínico do STF desde 2009 e assumiu a secretaria em agosto de 2014.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 1 de janeiro de 2021, 11h14

Comentários de leitores

5 comentários

Isso é democracia!

André Soler (Procurador do Município)

Mandou bem o Ministro Barroso, né? Infelizmente a democracia traz pérolas que ficarão guardadas neste mundo digital. Pessoas ganhando o olho da cara e aceitando e efetuando imposições grotescas contra o povo, que verdadeiramente detém o Poder. Em plena Pandemia vemos comércios fechados, governadores em Miami, servidores que ganham mais de 25 mil requerendo aumento, e o 'ganha pão' de muitos sendo suprimido, aniquilado, fechado com apoio de esquerdistas. Não mandou bem no tocante à vacinação, não. Ao menos na minha opinião, extremamente contrária. Deve ter sido benéfico a Vossa Senhoria, que pode escolher e tem todo um confirto. Agora muitos serão obrigados a tomar uma coisa feita em 6 meses , com sérios riscos à saúde. NÃO QUER PEGAR COVID, TOME A VACINA. AGORA, POR QUE OBRIGAR OS QUE NÃO QUEREM A TOMAR SE OS 'RESPONSÁVEIS' E PREOCUPADOS COM SUAS VIDAS JÁ ESTÃO IMUNES? Eu, mesmo existindo ato normativo neste sentido, não concordo. Aposto nessa nova cura, mas não acredito que vacinação compulsória trará algum efeito. Tanto é que já há notícia de vacinados contraindo ISSO. Vida longa aos que se vacinarem! O Brasil mudará com distribuição correta de rendas, e não vacinando cobaias vulneráveis que já tiveram como solução para a fome a malfadada FARINATA! Aqui não muda mais, meu senhor! Dá para fazer uma manutenção com o que deixaram, mas mudar, talvez nem em 500 anos! Tem que fundar novamente.

A vacinação é direito coletivo

Joao Sergio Leal Pereira (Procurador da República de 2ª. Instância)

Foi muito feliz o ministro Barroso quando, no julgamento da constitucionalidade da vacinação obrigatória, afirnaou que o direito à saúde coletiva deve prevalecer acima de tudo e de todos. Contudo, essa advertência parece não ter absorvida por alguns, como mostra a reportagem sobre o imbróglio envolvendo a demissão do médico responsável pelo setor de saúde do STF. Pegou muito mal - para dizer o mínimo - o pedido antecipado de reserva de vacinas para os integrantes e servidores daquela Suprema Corte. Afinal, a vacinação é um direito coletivo e a todos deve beneficiar, independemente dos cargos ou empregos que se tenha. A transparência e a isonomia não podem apenas servir de instrumentos de retórica desse ou daquele administrador público. O Brasil precisa mudar...

Demissão de médico em clipping

Kléber Engler (Funcionário público)

Reservas de vacinas acontecem direto na AGU, é em outro órgãos do Governo Federal.

será que é o Governo ?

E.Rui Franco (Consultor)

E os "Procuradores e Judiciário in totun " não,? O Arrepio à CF à sorrelfa , os Aumentos salariais, corporativismo, bao devem mudar ? Dizem que a maioria não vale, um sim. Isso pode Sr Procurador?

Demissão Médico STF

René Curio Gonçalves (Advogado Autônomo - Civil)

Demissão ou exoneração?? Poderiam esclarecer melhor?!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 09/01/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.