Consultor Jurídico

Raio-x do Judiciário

Comitê do CNJ inicia diagnóstico sobre serviços de jurisprudência no Brasil

O comitê criado pelo Conselho Nacional de Justiça para elaborar estudos e pareceres técnicos sobre a sistematização do serviço de jurisprudência no Poder Judiciário realiza um diagnóstico dos serviços de jurisprudência nos tribunais do país, para identificar principais oportunidades e pontos relevantes de atuação do grupo e os avanços já alcançados que possam ser compartilhados com os demais tribunais. O colegiado foi criado em dezembro de 2020 e se reunirá todos os meses, até dezembro de 2021.

CNJComitê do CNJ inicia diagnóstico sobre serviços de jurisprudência no Brasil

No intuito de propiciar a realização deste raio-x dos serviços de jurisprudência no país, o CNJ encaminhou, na última semana, ofício para os tribunais superiores, os tribunais de justiça, os tribunais regionais federais e os tribunais regionais do trabalho, em formulário eletrônico, com perguntas elaboradas pela equipe do Comitê. O diagnóstico deverá ser respondido pelos tribunais até o dia 26 de fevereiro.

Para a juíza auxiliar do CNJ e coordenadora do comitê, Ana Lúcia Andrade de Aguiar, essa primeira ação é estratégica para a evolução dos trabalhos do Comitê. "Os participantes do comitê estão muito engajados e planejam estudar iniciativas de treinamento, padronização e de compartilhamento de tecnologia."

Chama-se de jurisprudência, segundo Carlos Maximiliano, em geral, ao conjunto das soluções dadas pelos tribunais às questões de direito. O serviço de jurisprudência tem o objetivo de disponibilizar, de forma ordenada, os julgados proferidos pelos tribunais, tornando para o usuário, tanto quanto possível, mais fácil o resgate das decisões de interesse.

Um dos desafios do comitê é a busca de inovação para melhorar a divulgação e a recuperação das informações dos julgados, em especial dos precedentes judiciais. Para tanto, o grupo reúne representantes do CNJ, do Supremo Tribunal Federal, do Superior Tribunal de Justiça, de todos os tribunais superiores, de tribunais de Justiça e de tribunais regionais federais.

Duas reuniões já foram realizadas, por meio de videoconferência. No encontro inaugural, em 15 de janeiro de 2021, foram definidos a periodicidade das reuniões e o canal de comunicação e ainda as primeiras definições dos produtos que serão entregues ao final do trabalho, além de selecionadas as ações iniciais.

"A criação do comitê é muito significativa, pois visa não à melhoria da divulgação e disponibilização dos julgados em um tribunal isoladamente, mas antes direciona os esforços para auxiliar todos, com ações que possam promover o serviço no Poder Judiciário”, avalia a representante do STJ no comitê, Bárbara Brito de Almeida.

Na segunda reunião do Comitê, realizada em 12 de fevereiro de 2021, foram criados subgrupos de trabalho específicos para agilizar a atuação dos participantes, que são tanto da área técnica de jurisprudência quanto de informática. "A atuação em parceira, aproveitando a expertise de cada um dos tribunais, é nosso norte. Queremos potencializar os resultados a partir da sinergia promovida pelo Comitê", afirma Aline Dourado, representante do STF.

Nas próximas reuniões, o grupo planeja trabalhar com os dados coletados no formulário diagnóstico, fechar um documento para examinar o perfil, o grau de satisfação e as necessidades dos usuários do serviço de jurisprudência, além de um guia de boas práticas. Com informações da assessoria do CNJ.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 27 de fevereiro de 2021, 10h15

Comentários de leitores

0 comentários

A seção de comentários deste texto foi encerrada.