Consultor Jurídico

Não pode aglomerar

TJ-SP valida portaria municipal que proíbe festas em razão da epidemia

Por 

É legítima a atuação de estados e municípios para implementar medidas restritivas de combate à pandemia. Com esse entendimento, o Órgão Especial do Tribunal de Justiça de São Paulo negou mandado de segurança impetrado por um grupo de 133 empresas de eventos e buffets de festas infantis contra portaria da Prefeitura de São Paulo que autorizou a retomada de setores culturais, como cinemas, teatros e eventos, mas manteve a proibição de festas.

dolgachovTJ-SP valida portaria municipal que proíbe festas em razão da pandemia da Covid-19

De início, o colegiado afastou pedido da prefeitura para limitar o polo ativo. "A despeito de figurarem 133 empresas no polo ativo deste mandamus, trata-se de via que não permite a produção de provas, de forma que não se afigura prejuízo à celeridade da demanda ou entraves à defesa", afirmou o relator, desembargador Evaristo dos Santos.

No mérito, o magistrado observou que a portaria foi editada em 2 de outubro de 2020, época em que o município de São Paulo havia evoluído para a fase verde do Plano São Paulo. "Assim, naquele momento, verificado o progresso no combate à pandemia, iniciava-se a flexibilização da quarentena e autorização gradativa de atendimento presencial no comércio e serviços em geral", disse.

Entretanto, afirmou, atualmente todo o Estado de São Paulo regrediu para as fases vermelha e laranja devido ao aumento dos números de internações. O desembargador citou decreto estadual de 8 de janeiro deste ano que permite eventos, convenções e atividades culturais com capacidade limitada de 40%, controle de acesso, hora e assentos marcados, proibição de atividades com o público em pé e adoção de protocolos de segurança.

"Não consta no aludido Decreto Estadual 65.460/21, autorização para a atividade festas, que, como pontuado por ocasião do indeferimento da liminar, não se confunde com eventos. Daí que a Portaria Municipal 1.041/20 harmoniza-se com a normativa estadual. Não poderia, de fato, propor modelo mais brando. Nesse sentido, este Eg. Órgão Especial decidiu, por maioria, pela inconstitucionalidade de norma local menos restritiva que o Plano São Paulo", completou.

Santos disse ainda que o TJ-SP vem reiterada e majoritariamente mantendo as medidas restritivas decretadas pelo Governo Estadual, considerando a gravidade da atual situação da pandemia em São Paulo e a eficácia do isolamento social: "Daí não existir direito líquido e certo dos impetrantes contra a Portaria Municipal 1.041/20, cujo teor é compatível com as regras estaduais. Em suma, inviável permitir às impetrantes a execução de suas atividades, fora dos exatos termos do Plano São Paulo e da Portaria Municipal 1.041/20".

Processo 2252214-52.2020.8.26.0000




Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 24 de fevereiro de 2021, 20h22

Comentários de leitores

2 comentários

TJ-SP valida ...

Arlete Pacheco (Advogado Autônomo - Trabalhista)

A Justiça vem validando determinações governamentais que proíbem a realização de festas, a fim de se evitar aglomerações, por causa da pandemia. E, como perguntar não ofende, como devem ser julgadas as omissões governamentais que permitem a existência de comunidades, economicamente menos favorecidas, cujas moradias chegam a ser habitadas por 10 ou 15 pessoas, em um ou dois cômodos???!!! Pessoas que são obrigadas a usar meios de transportes superlotados, porque necessitam trabalhar para poderem comer???!!! Ou será que o tal vírus é elitista e preconceituoso e não gosta de pobre???!!! E como pode uma região passar de verde para vermelha, ou seja, ir de um extremo ao outro???!!! Ou será que nunca esteve verde e nunca esteve vermelha???!!! Quem viver, verá.

Vergonhosa a situação!

André Soler (Procurador do Município)

Sem comentários. Quem manda no País laico onde o poder emana do povo são 11 deuses celestiais. Esse País tem que calar a boca e se resumir em sua respectiva insignificância. Não temos saída. Não temos Leis, e sim decisões judiciais abstratas. Como diz minha mãe: 'Credo, Deus que me perdoe!', com cara de asco.
E muitos pseudo intelectuais se achando livres. Porém, mal sabem que a situação é comparável ao filme Matrix.

Comentários encerrados em 04/03/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.