Consultor Jurídico

Colaboração Ilegal

"Faz tempo que não tenho vergonha na cara", disse Dallagnol sobre cooperação informal

A defesa do ex-presidente Lula enviou ao Supremo Tribunal Federal nesta segunda-feira (22/2) novas mensagens entre procuradores da "lava jato" em Curitiba apreendidas em uma investigação sobre a atuação de hackers que invadiram os celulares de autoridades.

""Faz tpo [tempo] que não tenho vergonha na cara kkkk", disse Dallagnol
José Cruz/Agência Brasil

Os diálogos voltam a mostrar que a cooperação internacional feita entre os integrantes do Ministério Público Federal e autoridades estrangeiras ocorria por fora dos canais oficiais, ignorando a competência do Ministério da Justiça para centralizar a colaboração brasileira com outros países. 

A ConJur manteve abreviações e eventuais erros de digitação e ortografia presentes nas conversas. 

"Li o email de Mônaco, ainda, e é bem melhor do que havia achado… dá a entender que é possível regularizar [a cooperação] a posteriori… enfim, vamos nos falando e fique à vontade", afirmou em 2015 Orlando Martello. 

Para Dallagnol, não havia problema seguir com essa metodologia. "Faz tpo [tempo] que não tenho vergonha na cara kkkk". Na mesma ocasião, o então chefe da "lava jato" disse que havia recebido um email do ex-procurador suíço Stefan Lenz e que os dois trocaram informações pelo Telegram.  "Não comenta com ninguém do e-mail com Stefan. Se vazar algo não mandaram…", diz Dallagnol. 

Em alguns casos, as informações de brasileiros e empresas nacionais eram encaminhadas a autoridades norte-americanas por pen drives, segundo mostra uma mensagem de Orlando Martello. 

"Pessoal do RJ, na próxima semana Christopher do DOJ [Departamento de Justiça dos EUA] estará aí, certo? Quem de Vcs estará com ele, pois preciso encaminhar um pen drive para ser entregue a eles", diz o procurador. 

Não é a primeira vez que os integrantes citam a cooperação ilegal com Mônaco. Em um diálogo recentemente publicado pela ConJur, Dallagnol admite que usava elementos obtidos fora dos canais oficiais e diz que se a cooperação informal caísse, "chega pelo canal oficial e pedimos de novo”. 

"Estou recebendo informações de Mônaco diretamente por email e foi autorizado o uso oficial…", diz Dallagnol. O procurador, no entanto, foi repreendido por Vladimir Aras, então responsável pela cooperação internacional da Procuradoria-Geral da República. "Delta, melhor ter cuidado. Que tipo de situação é? As defesas podem questionar o canal. O DRCI também."

DRCI é o "Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação, órgão vinculado ao Ministério da Justiça e responsável por toda a cooperação brasileira com outros países.

Decretos estabelecem que a colaboração deve necessariamente passar pelo Departamento, ao contrário do que se vê nos diálogos entre procuradores. 

Rcl 43.007




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 22 de fevereiro de 2021, 12h13

Comentários de leitores

13 comentários

Suprema é indignidade que fizeram Vossas Excelências

Ricardo Vieira2 (Defensor Público Estadual)

Chegou a hora do STF, se é que ali ainda tem mesmo algum resquício de supremo responder o tuíte do milicão. Provas de que a lava jato era mesmo uma operação orquestrada para tirar Lula das eleições e por um boneco de mamulengo já tem de sobra. O país espera coragem e um julgamento justo. Só isso!

Responder

Discordo

Afonso de Souza (Outros)

Primeiro, você não fala "pelo país". Segundo, Lula teve um julgamento justo. As condenações foram confirmadas, e por unanimidade, nas instâncias superiores. E a primeira condenação é de 2016, ou seja, bem antes da eleição de 2018. Terceiro: esses supostos diálogos roubados e não periciados não são prova de nada.

Comentário

Afonso de Souza (Outros)

Segue a tentativa de desmoralizar a Lava Jato para liberar os corruptos, um em especial. E isso tudo com base em supostos diálogos roubados e não periciados. Mas fogem do conjunto probatório como o diabo da cruz.

P.S. Será que vão pedir também que a Lava Jato devolva os bilhões recuperados?

Responder

Bilhoes recuperados

João Mezzomo (Auditor Fiscal)

Os "bilhões recuperados" fazem parte da narrativa, assim como quem aprova o crime faz parte do crime. Se vc conhece minimamente o mundo sabe que um milionário preso paga rapidinho o que for preciso para sair, ou melhorar sua situação. O que o MP tem de fazer é provar que Lula recebeu algo, moveram meio mundo e não acharam em centavo. Deviam ter vergonha na cara, mas o DD já nos poupou dessa dúvida, reconheceu que não tem. "Agora só falta você"!

Ao João Mezzomo (Auditor Fiscal)

Afonso de Souza (Outros)

Parte da narrativa é essa bobagem que você disse. A quem quer enganar com isso?!

O ego e os crimes.

Artur lei é p todos (Advogado Autônomo - Administrativa)

A modernidade é uma benção. Cada mensagem revelada da Lava Jato, nos deparamos com o impensável. Os mocinhos, na verdade, eram os bandidos.
O que deveria ser combate ao ilícito, se tornou em negociatas sórdidas e repugnantes. O ego inflou tanto que deu lugar aos crimes de Estado.
Qual deles será o primeiro a fazer a tão exaltada "delação premiada"?
Façam suas apostas!

Responder

Ver todos comentáriosComentar