Consultor Jurídico

Tem que participar

Pai deve pagar pensão mesmo se filho morar com padrasto rico, diz TJ-RJ

Retornar ao texto

Comentários de leitores

4 comentários

Sem entrar no mérito!

Neli (Procurador do Município)

Sem entrar no mérito!
Penso que quem não tem condição para sustentar um filho, que não ponha no mundo.
A criança não pede para nascer e depois que nasceu: os pais são responsáveis por ela. Inadmissível jogar crianças no mundo e não querer sustentar, alegando falta de dinheiro. Por que colocou a criança no mundo? Repiso-me!
Jogar criança no mundo é fácil! Mas, e a paternidade/ maternidade responsável?
As pessoas deveriam pensar muito antes de jogar criança no mundo.
Vejo muitos homens(e mulheres), contra o aborto, mas, e jogar crianças ao deus-dará não é um pecado mortal?
Responsabilidade paternal e maternal.
Se não quer ser responsável por alguém: não ponha filho no mundo. Tantos modos de evitar! Ou mais drasticamente, não faça sexo.
Marido, mulher, amante, namorado, namorada: é transitório! Filho é para sempre. Daqui a mil anos, ao fazer o DNA de um caso amoroso, não constará parentesco...quanto ao filho ,sim!
No caso em tela, com a devida vênia, ao Padrasto não cabe sustentar financeiramente o enteado. Substitui o pai em amor . Nada mais!

Século XXI

Gilmar Masini (Médico)

Se a mulher abandonou o marido e normalmente já com vistas para uma outra pessoa com condição de vida melhor, nada mais justo que este além de arcar com o filet mignon limpo, arque também com o osso da rabanada.

Sub-rogação subjetiva

O ESCUDEIRO JURÍDICO (Cartorário)

O pai primitivo pensou que, uma vez o filho com padrasto rico, a obrigação alimentar seria substituída, com a perda do vínculo econômico, mas mantido o jurídico como se fossem diferentes.
Filho e filha são para toda a vida.

A raça humana não tem jeito mesmo!

Sérgio Niemeyer (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Não há limite para a mesquinhez do ser humano. O sujeito fez o filho, assumiu a obrigação de pagar pensão alimentícia, e agora quer liberar-se forro dessa obrigação sob o argumento de que as necessidades do filho são suportadas pelo padrasto? Que pai é esse?
Tem toda razão do preclaro relator Desembargador Henrique Carlos de Andrade Figueira: tal proceder do pai beira o absurdo e mostra a que ponto pode chegar a mesquinhez do ser humano.
Aliás, é manifestamente contraditório o sujeito dizer que gasta muito para ver o filho, porque para tanto precisa deslocar-se do Brasil ao Equador, onde mora o adolescente, mas que não pode sustentá-lo.
É o vezo amesquinhado que fala alto e impele a pessoa a tentar transferir suas responsabilidades para outrem.
(a) Sérgio Niemeyer
Advogado – sergioniemeyer@adv.oabsp.org.br

Comentar

Comentários encerrados em 22/02/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.