Consultor Jurídico

Heróis anônimos

Jornalistas tiveram participação decisiva na "lava jato"

Em texto sobre a participação de jornalistas na chamada "força-tarefa da lava jato", este site publicou, incorretamente, que quem insuflava o procurador Deltan Dallagnol a perseguir personalidades era o repórter Thiago Bronzatto. Na verdade, o interlocutor de Dallagnol no diálogo específico foi Thiago Prado, quando trabalhava na revista Veja. O texto foi suprimido no mesmo dia.

Nestor Cerveró, ex-diretor da Petrobras

Prado sugeria ao procurador prisão de pessoas, fornecia mensagens (e-mails) para incriminar pessoas suspeitas, documentos e extratos bancários. Ele festeja quando Nestor Cerveró, então diretor da Petrobras, foi preso por causa dele. Prado, que vive no Rio, implora por uma "ponte" com a Procuradoria-Geral da República para entregar o que considera provas para condenar pessoas. O chat compreende o período de abril de 2015 a junho de 2016.

Papéis invertidos

Outro mérito do jornalista foi provocar o caso que gerou buscas e apreensões nas casas e escritórios de 26 advogados que trabalharam para a Fecomércio do Rio de Janeiro. Ele oferece ao procurador as notas fiscais que diz ter do escritório do advogado Roberto Teixeira contra a Federação. Como Deltan nada responde em março de 2016, Prado volta a insistir no mês seguinte. Sem qualquer ligação com "lava jato" ou Curitiba, o evento, naturalmente, só poderia ser conduzido pelo Rio de Janeiro que, mais tarde, entraria no assunto.

O jornalista mostrava certa fixação com o senador Romário (PODE-RJ) que, pelo cargo, não poderia ser investigado em Curitiba. Ele pede quebras de sigilo e insiste também em culpar o banqueiro André Esteves. "Assim como eu colaborei lá atrás entregando todos os e-mails do Cerveró para vocês, por favor, peço essa ajuda para desmontarmos essa farsa", pede o repórter. Em dado momento, Dallagnol brinca, dizendo que o jornalista já pode entrar para o Ministério Público.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 11 de fevereiro de 2021, 16h00

Comentários de leitores

7 comentários

Jornalista?

Alexandre Casemiro (Outros)

Jornalista bom é aquele que quer incriminar os meus inimigos...

Combate à burrice

Hattori Hanzo (Administrador)

Qual era mesmo o apelido da Maria I. Não consigo lembrar. Jornalista não combate crime. Dá notícias. Não atua como um rato ou como os cachorros da ditadura. Jornalista pede informações às suas fontes. Não alimenta o aparelho persecutório do Estado. Repórter que faz isso não é alguém que falha com a profissão. É psicopata mesmo.

Idéia Duo Generis

Maria I (Outros)

Que estratégia Genial:.
A partir de hoje a imprensa, os jornalistas, todos se sentiram intimidados a combater a Corrupção, o Crime Organizado, Parabéns!!!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 19/02/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.