Consultor Jurídico

Impacto setorial

Presidente do STJ pede à PGR apuração sobre investigação ilegal de ministros

Retornar ao texto

Comentários de leitores

6 comentários

Medo de que!? Quem não deve, não teme...

Sergio Luiz Zoz (Administrador)

A Constituição Federal reza que, TODOS SOMOS IGUAIS PERANTE A LEI, no entanto, integrantes de algumas instituições públicas, se fazem valer de discrepâncias jurídicas há muito retrógradas, para ainda, sob o manto de suposta "ilegalidade constitucional", de todas as formas, esconder o que na realidade deveria SEMPRE ser de informação pública, pois como se trata de, administradores e supostos "guardiões" da Constituição Federal, não haveria POR QUE querer ocultar!!! Se estão com medo, algo de errado deve ter ocorrido!!!

Nossa

Cleiton Correa (Economista)

Nossa!!! Parece que se iniciou uma disputa entre Judiciário e MP. De fato, se há prerrogativa de função ela deve ser respeitada, afinal quem é fiscal da lei deve cumprir a mesma á risca. No entanto, se foram apenas conversas informais, visando ações futuras, ações estas de acordo com a lei, uma eventual repressão pode passar a imagem de um Judiciário que se julga acima do bem e do mal, acima da mera hipótese de investigação legal.

Pimenta no dos outros...

Felix Barros (Estudante de Direito)

É refresco.

Não vi um da segunda ou da terceira instância se mexer enquanto assistia toda fraude processual, afinal de contas, não era com eles. Estão fazendo justiça em causa própria.

Livro aberto

Héder Luiz (Engenheiro)

Todo ente público deveria ser um livro aberto... Não deveria nem ter necessidade de pedir autorização para vasculhar e investigar... Se eles são idôneos não há nada a temer.

Vai dar em nada além de porta na cara dos Ministros

Ramiro. (Advogado Autônomo - Criminal)

Tudo indica que agora os Ministros do STJ vão ver o que é porta batida na cara, murro na mesa para "se colocarem no seu devido lugar", vão ver o que é corporativismo, recusa de investigar.
Quem sabe com esse resultado passem, no STJ, a olhar com outros olhos os órgãos acusadores.

Prova ilícita

João Henrique Laskovski (Advogado Assalariado - Civil)

Ato politico, é notório que as reportagens tem bases provas ilícitas.
Portanto, nem mesmo a abertura de investigação (criminal) se justificaria.
A menos que rasguem - mais uma vez - a CF, não haverá condenação alguma.

Comentar

Comentários encerrados em 13/02/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.