Consultor Jurídico

Alô, Excelência!

STF tranca ação contra advogada processada por usar celular em audiência

Por 

Decisão se deu em HC relatado pelo ministro Gilmar Mendes
Reprodução

Para que alguém seja processado e condenado pelo crime de desobediência, não basta que desobedeça a uma ordem emitida por funcionário público. A desobediência só é caracterizada se a ordem é legal. Caso contrário, não é possível falar em crime. Essa foi a premissa usada pelo ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, para trancar ação penal contra a advogada Daniela Nobre Coelho da Costa, processada por usar o telefone celular durante uma audiência trabalhista.

Na decisão, tomada nesta quarta-feira (3/2), o ministro Gilmar Mendes registrou que o artigo 367 do Código de Processo Civil permite a gravação de audiências por qualquer das partes do processo. Em seu parágrafo 5°, o texto legal fixa que "a audiência poderá ser integralmente gravada em imagem e em áudio, em meio digital ou analógico". E o parágrafo 6° estabelece que a gravação "pode ser realizada diretamente por qualquer das partes, independentemente de autorização judicial".

"Não me parece razoável que o legislador tenha garantido a gravação da audiência, independentemente de autorização judicial, e, ao mesmo tempo, identifique como crime o ato de usar o celular, quando o juiz determina que ele não seja usado", afirmou Mendes. Ainda segundo o ministro do Supremo, não há subordinação entre advogado e juiz em audiências.

A advogada Daniela Nobre Coelho da Costa foi processada a pedido do juiz Alexandre Knorst, da 3ª Vara do Trabalho do Fórum da Zona Leste de São Paulo. O juiz fez referência aos avisos alocados na porta das salas do fórum: "Na sala de audiência, desligue o celular". Para Knorst, "embora inexista lei que expressamente proíba a utilização de equipamentos de telecomunicação durante a audiência", a proibição de usar o aparelho é lícita porque "compete ao juiz, exercendo o poder de polícia, manter a ordem na audiência, e cumprir e fazer cumprir as determinações legais, como aquelas relativas a proibição das partes que ainda não depuseram tomarem conhecimento dos atos processuais já praticados".

Como a advogada insistiu em usar o aparelho, o juiz suspendeu a audiência e requisitou ao Ministério Público a abertura de inquérito para apuração do crime de desacato a autoridade federal. No caso, ao próprio juiz. O inquérito, depois, reclassificou a ação e a advogada foi processada pelo crime de desobediência, previsto no artigo 330 do Código Penal: "Desobedecer a ordem legal de funcionário público. Pena detenção, de quinze dias a seis meses, e multa".

No pedido de Habeas Corpus impetrado no Supremo, a defesa de Daniela afirmou que não se comprovou, em momento algum, a alegação de que a profissional fazia mau uso do celular. A acusação estaria "alicerçada nas informações vazias do juiz do trabalho", de que a advogada passara, por meio do celular, informações para testemunhas ou partes ainda não ouvidas do processo. Segundo o HC, ela apenas exerceu plenamente as suas prerrogativas. E que advogada usa do celular para acessar dados, documentos e cópias de processos em PDF, justamente por fazer muitas audiências trabalhistas.

Gilmar Mendes acolheu os argumentos. Para o ministro, ainda que caiba ao juiz conduzir a audiência e exercer poder de polícia, "há outras medidas administrativas previstas para aquele que, sendo parte ou advogado, tumultue o andamento dos atos solenes". Por isso, determinou que a ação penal seja trancada.

Clique aqui para ler a decisão
HC 194.092




Topo da página

 é repórter especial da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 4 de fevereiro de 2021, 20h47

Comentários de leitores

6 comentários

Puro abuso de autoridade

João Bosco de souza Coutinho (Advogado Sócio de Escritório)

Deve a advogada processar esse “juiz” por abuso de autoridade...

Não dá pra entender

olhovivo (Outros)

E ainda tem advogado que vomita críticas ao min. Gilmar. Só mesmo néscios jurídicos.

Decisão exemplar (1)

Sérgio Niemeyer (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

A decisão expõe com primor os fundamentos jurídicos (legais) que arrebatam na raiz a imputação criminal à advogada.
Tão claros e cristalinos são as bases legais que não se compreende como o juízes das instâncias anteriores os desconheçam, ou os não enxergue.
Por mais que se admita a possibilidade de divergência de entendimento, fundada na discrepância de interpretação, o que é sempre subjetivo, mesmo isso tem limite. O contraforte da interpretação subjetiva é a evidente objetividade da norma jurídica em sua literalidade, que decorre da interpretação do texto legal segundo o significado das palavras, as quais, como já dizia Lord Denning, devem ser sempre entendidas no sentido corrente e usual, comum ao vulgo ou ao destinatário da norma, pois do contrário perde o tegumento vinculante da conduta e do comportamento desse mesmo destinatário. Por isso que toda norma legal, todo texto legal deve ser interpretado, antes de tudo, gramaticalmente: primeiro no eixo sintagmático, depois no eixo paradigmático. Somente se disso resultar um absurdo inexequível ou incompatível com outras normas ou preceitos do ordenamento é que se passa à interpretação mais elaborada segundo os cânones e princípios da hermenêutica jurídica, cuja técnica escapa ao leigo, que de regra é o destinatário do preceito legal.
Disso resulta uma única conclusão possível. A denúncia e as decisões proferidas pelas instâncias anteriores só podem ser explicadas numa vontade subjetiva tão arbitrária quanto tirânica que nutrem aqueles que as proferiram de fazer o advogado ajoelhar-se, como se súditos fossem daqueles juízes, a despeito de a lei expressamente preceituar que não há hierarquia nem subordinação entre uns e outros. Por que é tão difícil a alguns juízes entenderem isso? (continua)…

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 12/02/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.