Consultor Jurídico

luto no Judiciário

Morre Paulo Teixeira Manus, 70, ministro aposentado do TST e colunista da ConJur

Morreu em Campinas na madrugada deste sábado (25/12) Pedro Paulo Teixeira Manus, 70 anos, ministro aposentado do Tribunal Superior do Trabalho. Ele atuou na corte superior entre 2007 e 2013.

Ministro Pedro Paulo Teixeira Manus ocupou cadeira no TST entre 2007 e 2013 Reprodução

Na ConJur, assinava a coluna Reflexões Trabalhistas, ao lado de Raimundo Simão de Melo e Paulo Sergio João, com dezenas de textos publicados. O último artigo de Manus foi publicado nesta sexta-feira (24/12). Clique aqui para ler.

Presidente do TST, a ministra Maria Cristina Peduzzi decretou luto de três dias na corte e expressou profundo pesar pelo falecimento. Afirmou que o ministro será lembrado por todos pela sua conduta ética, responsável e pela sua incansável defesa pela Justiça do Trabalho.

"O ministro Pedro Paulo Manus foi muito especial. Custa a crer que partiu, em sua jovialidade e entusiasmo pela vida e pelo Direito. Distinguido juiz e jurista, deixa um legado que o imortaliza no Poder Judiciário, na universidade e na vida acadêmica. Na pessoa da sua 'Maró', expressamos imenso pesar a sua família e amigos. Descanse em paz querido amigo", lamentou.

Natural de São Paulo, graduou-se pela PUC-SP e especializou-se em Direito do Trabalho e em Direito Civil na Università Degli Studi di Roma (Itália). É mestre em Direito do Trabalho pela USP (1984) e doutor em Direito do Trabalho pela PUC-SP (1995).

Chegou à magistratura em 1980, como juiz substituto do Trabalho da 2ª Região. Em 1992, passou a juiz titular do TRT-2, onde chegou a ser vice-presidente no biênio 2006-2007. Em 4 de outubro de 2007, tomou posse como ministro do TST.

Era livre docente e professor titular de Direito do Trabalho e do curso de especialização e pós-graduação da PUC-SP.

"É com imensa dor que recebo a notícia do falecimento do amigo e nosso colunista Pedro Paulo Teixeira Manus. Pessoa e ser humano ímpar, que vai deixar grande vazio nas relações de amizade e no campo do Direito do Trabalho, pela sua inestimável contribuição prestada nesses longos anos. Que ele descanse com Deus e sua família e amigos recebam o conforto divino. Vá com Deus, amigo!", disse o colunista da ConJur Raimundo Simão de Melo.

A PUC paulistana, na qual Manus também era vice-reitor, também emitiu uma nota. "A Faculdade de Direito, enlutada, manifesta a todos seus amigos e familiares os votos do mais profundo pesar."

A reitora da universidade, Maria Amalia Andery, afirmou que este é um dia muito triste para a PUC-SP, para a reitoria e para ela, pessoalmente. "Amigo, professor, diretor e vice-reitor. Ficam aqui registrados nossos sentimentos de pesar e nossa solidariedade a tantos que conviveram com Pedro Paulo. Ele fará muita falta, mas deixa também boas lembranças e um legado que não será esquecido pelo mundo jurídico, pela PUC-SP e por todos que o conheceram", afirmou.

O diretor da Faculdade de Direito, Vidal Serrano Nunes Junior, também lamentou a morte do vice-reitor. "Ele foi um ícone para os profissionais do Direito, um líder para a nossa faculdade e, para mim, um grande amigo, verdadeiro exemplo de honradez e retidão. Uma perda irreparável."

"Perda irreparável! Um humanista e grande professor", também lamentou o advogado criminalista Alberto Zacharias Toron.

“O professor Pedro Paulo Manus é daqueles que fazem a gente lembrar como é importante não perder a conexão com as joias que topamos na vida. Conheci-o no final dos anos 70 e desde estão só atraiu boas falas e boas coisas, honrando os amigos e todos que de algum jeito cruzaram caminhos com ele”, afirmou Ernesto Tzirulnik, presidente do Instituto Brasileiro de Direito do Seguro.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 25 de dezembro de 2021, 13h31

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 02/01/2022.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.