Consultor Jurídico

Boate Kiss

Fux invalida eventual decisão do TJ-RS e proíbe soltura de réus da boate Kiss

Por possibilidade de "inadmissível inversão de instância", o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Luiz Fux, tornou sem efeito eventual decisão colegiada de tribunal de Justiça que pudesse ser favorável aos réus do caso da boate Kiss.

Na prática, o presidente, por ter decidido cassar um Habeas Corpus concedido monocraticamente por desembargador, e porque sua decisão só é recorrível no próprio STF, invalidou o julgamento do pedido pelo TJ do Rio Grande do Sul e pelo Superior Tribunal de Justiça.

Os réus do caso foram condenados pelo Tribunal do Júri por homicídio e tentativa de homicídio pelas 242 mortes e mais de 600 feridos causados pelo incêndio na boate Kiss, em Santa Maria (RS), na madrugada de 27 de janeiro de 2013.

O desembargador José Manuel Martinez Lucas, do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, tinha deferido liminar em Habeas Corpus para impedir o juiz de primeiro grau de determinar a prisão imediata dos quatro réus. 

A 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, na quinta-feira, começou a julgar o mérito do HC concedido por Lucas. Havia dois votos pela concessão da ordem, e um desembargador ainda não se manifestou.

No entanto, antes desse julgamento, Fux tinha cassado a decisão monocrática e ordenado a prisão logo após a decisão do Tribunal do Júri, em sede de suspensão de liminar.

Para especialistas, a decisão é ilegal. Fux não poderia ter aplicado suspensão de liminar contra Habeas Corpus. A decisão de Fux é baseado na Lei 8.437/1992, que dispõe sobre a concessão de medidas cautelares contra atos do Poder Público, mas que jamais foi pensada para o âmbito penal, conforme aponta Lenio Streck.

O advogado Pierpaolo Bottini também sustenta que o caso deveria ter seguido as instâncias formais: o TJ-RS ainda não tinha julgado o caso, tampouco o STJ.

Alberto Toron destaca a ironia de que o Supremo tenha redigido (e aplique) a Súmula 691, que afasta a competência para conhecer HC contra liminar negada em outro tribunal superior, mas se permita admitir questão ainda não julgada no tribunal de origem nem pelo STJ.

Agora, mesmo que o colegiado do TJ-RS decida, como se encaminhava para decidir, que o Habeas Corpus deveria ser concedido, a nova decisão de Fux torna esse resultado sem efeito.

"Nenhuma decisão do Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul, ainda que em sede de julgamento de mérito do habeas corpus, teria o condão de sustar, direta ou indiretamente, os efeitos da decisão suspensiva prolatada pelo Supremo Tribunal Federal, sob pena de inadmissível inversão de instâncias", afirmou Fux na decisão.

Para decidir, o ministro invoca os parágrafos 8º e 9º do artigo 4º da Lei 8.437/1992. O artigo 4º diz que "compete ao presidente do tribunal, ao qual couber o conhecimento do respectivo recurso, suspender, em despacho fundamentado, a execução da liminar nas ações movidas contra o Poder Público ou seus agentes, a requerimento do Ministério Público ou da pessoa jurídica de direito público interessada, em caso de manifesto interesse público ou de flagrante ilegitimidade, e para evitar grave lesão à ordem, à saúde, à segurança e à economia públicas".

Clique aqui para ler a decisão
SLS 1.504




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 17 de dezembro de 2021, 8h19

Comentários de leitores

9 comentários

Um ditador de toga

S. Queiroz (Outros)

A exemplo do vizinho da praça, que diz combater, o deus-fux, causa espécie com suas decisões. Juristas em grande número afirmar categoricamente seus equivocados julgamentos. Agora, quando o STF citar a 691, todos, ao meu ver, deveriam lançar mão da decisão "du fux". Uma aberração a condução desse senhor, faz da Corte, um tatame de "jiu-jitsu" bem ao chão. Razão já assistia ao Min. Marco Aurélio, dizendo que com decisões novo presidente, sob diversos aspectos, esdrúxulas, "superava" o plenário; sequer o consultava, ao modo 'Pinochet'. "Tempos difíceis" (Min. Marco Aurélio). O Pacheco, dorme em berço esplêndido.

Entre a lei e o aplauso

GMOliveira (Bacharel)

Mais assustador do que o atropelo da garantia constitucional fundamental ao devido processo é a motivação do ato. O que os cidadaos podem esperar quando a sua Suprema Corte (esperemos que o desatino se restrinja ao Sr Luiz Fux) abandona a lei para receber aplausos de alguns outros que não alcançam a gravidade da arbitrariedade cometida.

Tribunal da peruca

capixa (Administrador)

O erro, que é primário, não deve ser atribuído ao STF, como muitas pessoas indevidamente afirmam, mas sim ao Fux, que, lamentavelmente, gosta de jogar para a torcida ao invés de cumprir sua obrigação constitucional de objetivamente aplicar a lei.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 25/12/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.