Consultor Jurídico

Esaú e Jacó

Alexandre rejeita pedido de Moro e valida depoimento de Bolsonaro

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, rejeitou contestação do ex-ministro (Justiça) Sergio Moro contra o depoimento do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) colhido pela Polícia Federal.

Então ministro de Bolsonaro, Sergio Moro torce pelo Flamengo com o chefe
Reprodução/Twitter

Na manifestação, os advogados do ex-juiz da "lava jato" questionam o fato de não terem participado da oitiva que ouviu Bolsonaro. Moro afirma que seu depoimento foi acompanhado pelos advogados de defesa, da Procuradoria-Geral da República e da Advocacia Geral da União e questiona o fato de a oitiva do presidente ter sido feita de forma privada. Ele pediu que os autos fossem encaminhados à PGR para que o órgão se manifesto sobre a regularidade do depoimento presidencial.

A Procuradoria se manifestou no sentido de que não verificou nenhuma irregularidade no procedimento adotado pela autoridade policial na realização da oitiva de Bolsonaro, já que foi cumprida em conformidade com decisão judicial proferida pelo atual ministro relator, Alexandre de Moraes.

Ao analisar o pedido, Alexandre apontou que o depoimento foi colhido de acordo com a sua decisão e que a defesa de Moro não apresentou qualquer questionamento e, que além disso, o modo como a oitiva ocorreu, não resultou em qualquer prejuízo à investigação.

"O Ministério Público Federal, titular da ação penal pública e destinatário da prova colhida, não vislumbrou qualquer irregularidade no procedimento adotado pela autoridade policial para a oitiva do presidente da República nestes autos, de modo que o inconformismo manifestado, além de extemporâneo, não merece êxito", escreveu o magistrado.

Clique aqui para ler a decisão
INQ 4.831




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 2 de dezembro de 2021, 22h32

Comentários de leitores

2 comentários

Provai do próprio veneno

olhovivo (Outros)

Definitivamente, o mundo gira e nada como experimentar do mesmo veneno. Aliás, haverá muitos venenos pela frente: traição à toga, traição ao então chefe, traição ao país (quebrou empresa e empregos e foi ganhar dinheiro no exterior para recuperação da empresa). Os próximos venenos a provar, como político, serão traições de todos os matizes.

Sentindo do próprio veneno

AP Advogado (Advogado Autônomo - Criminal)

Taí Moro. Lembra quando você tripudiava do direito de defesa, dos advogados, quando os acusava de fazer showzinho etc. etc. etc. Agora seu advogado formulou um requerimento pertinente, haja vista que não foi assegurado a você, por meio dele, participar da oitiva do PR, mas o Alexandre indeferiu.

Você também é investigado pelos mesmos fatos ou conexos pelo Aras. Então é direito seu, novamente por meio de seu defensor, participar de toda a investigação, sob pena de nulidade desta, conforme o artigo 7º, XXI, do Estatuto da ADVOCACIA.

O mundo não gira, ele capota hein Moro.

Não que eu esteja feliz pelo seu insucesso representado pelo indeferimento do pleito do seu patrono. É que no Estado de Direito lei é lei; deve-se cumprir ainda que não gostemos do destinatário.

Moro, pau que bateu em Chico está batendo em Francisco.

Comentários encerrados em 10/12/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.