Consultor Jurídico

Em SP

Polícia Federal prende três hackers que atacaram site do TSE

A Polícia Federal prendeu três hackers que atacaram o site do Tribunal Superior Eleitoral em junho deste ano. As prisões ocorreram na manhã desta terça-feira (24/8). A informação é do jornal O Estado de S.Paulo.

Investigação da Polícia Federal que levou a prisão dos hackers atendeu pedido do ministro Luís Roberto Barroso
Abdias Pinheiro/TSE

Foram cumpridos mandados de busca e apreensão em Araçatuba e na capital paulista. As ordens de prisão foram expedidas pela 10ª Vara de Justiça do Distrito Federal.

Com um dos investigados presos foram encontrados R$ 22,5 mil em espécie e uma arma de fogo. A investigação foi solicitada a pedido do presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso.

De acordo com as investigações, informa o Estadão, o ataque foi feito por um grupo de hackers brasileiros no dia 1º de junho deste ano. Eles só conseguiram mudar a aparência da página inicial do site, prática conhecida como "defacement". Esse tipo de ação é menos sofisticado do que o roubo e bloqueio de dados.

Instabilidade institucional
Os ataques ocorreram em meio às ilações do presidente Jair Bolsonaro e seus apoiadores sobre a integridade do sistema eleitoral brasileiro. Sem nenhuma apresentar nenhuma prova que corroborasse as suas declarações, o presidente Jair Bolsonaro passou a ser investigado no inquérito das fake news.

A inclusão de Bolsonaro no inquérito se justifica pela live feita pelo presidente em que ele repisou informações falsas desmentidas em tempo real pelo TSE. Barroso sugeriu apuração de possível conduta criminosa.

Bolsonaro é suspeito de ter cometido, em tese, os crimes de calúnia, difamação, injúria, incitação ao crime, denunciação caluniosa, todos previstos Código Penal.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 24 de agosto de 2021, 14h32

Comentários de leitores

1 comentário

"Impenetrável e inviolável"

Oliro Junior (Jornalista)

A melancólica, humilhante, desesperada e estranha defesa do Luiz "BV" Barroso, em impedir a mais uma necessária camada de transparência ao sistema eleitoral brasileiro, o tem levado a constantes ultrapassagens das raias do ridículo. E leva junto, nessa cruzada, toda a atual composição da não menos melancólica Corte Suprema.

Comentários encerrados em 01/09/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.