Consultor Jurídico

Conflitos em massa

Ações contra Carrefour e Assaí podem redefinir o direito difuso no país

Retornar ao texto

Comentários de leitores

11 comentários

Direitos Absolutos já

Negro de Santos - Empreendedor Social (Administrador)

O comentário AÇÕES NO ASSAI publicação do 63459519 (Advogado Autônomo - Consumidor) apresenta a verdade e a do titulo LAMENTÁVEL, publicada pelo Saulo Vinícius (Outros), apresenta desconfiança, o que abre a oportunidade para perante esta conceituada plataforma jurídica, apresentar complemento.

A iniciativa do Rafa Santos faz entender ser desabafo em prol do interesse do ganho por parte da categoria, fazendo entender também, que surgiu pelo motivo que na Câmara dos Deputados esta em tramite o Projeto de Lei 5875/19 para que órgãos públicos firmem compromisso de combate ao racismo estrutural, o Projeto de Lei 5885/19 estabelece medidas para enfrentar o racismo institucional praticado na administração pública e o ato de 17/12/2020,que criou a COMISSÃO DE JURISTAS DESTINADA A AVALIAR E PROPOR ESTRATÉGIAS NORMATIVAS COM VISTAS AO APERFEIÇOAMENTO DA LEGISLAÇÃO DE COMBATE AO RACISMO ESTRUTURAL E INSTITUCIONAL NO PAÍS.

Aconteceu também que o Senado Federal em 18 de 2021, através do Decreto Legislativo nº 1 na data de 18/01/2021, promulgou a CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O RACISMO, A DISCRIMINAÇÃO e FORMAS CORRELATAS DE INTOLERÂNCIA, também o Senado Federal na data de 10/08/2021, institucionalizou a Lei nº 2108, que visa ABOLIR VIOLENTA DO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO e VIOLÊNCIA POLÍTICA.

O que se precisa primeiro criminalizar é o caminho para poder tratar dos demais assuntos relacionados principalmente do vencimentos da defesa jurídica, o tratamento é sobre evolução no combate ao racismo que deve acontecer para todas as partes envolvidas, defensor e vitima se existe ação de indenização a criminalização é o fundamento.

Hein?

Afonso de Souza (Outros)

Numa democracia, ninguém tem (deve ter) direitos absolutos!
Além disso, o 'racismo estrutural' é um constructo, não uma evidência tipificada.

Sugestão de leitura

Marinheiro (Consultor)

Como a discussão de determinados temas são bem restringidos nesse país, sugiro a leitura do livro "A Indústria do Holocausto" de Norman G. Finkelstein, que é bem esclarecedor sobre esse tema. Custa apenas R$ 20 na Amazon.

Ações contra carrefour e assaí

63459519 (Advogado Autônomo - Consumidor)

Qual a razão desses artigos, que parecem encomendados, num momento em que a sociedade, não só os advogados, mas também esses, começa a se posicionar firmemente contra os métodos desumanos de tratamento das minorias no Brasil e mundo afora?

Como ganhar dinheiro fácil neste Pais

rlpedrotti (Advogado Associado a Escritório - Civil)

Fica cada vez mais claro porque as empresas estrangeiras não querem investir no Brasil. Obrigar o Carrefour a indenizar mais de 100 milhões de reais é daquelas coisas absurdas que só acontece num País como o nosso. Racismo estrutural, que bela invenção doutrinária. Num futuro proximo, neste Pais, nascer branco será crime inafiançável.

Lamentável

Saulo Vinícius (Outros)

Comentário no mínimo infeliz. Não vejo problema em questionar o valor da condenação. Mas afirmar que o racismo estrutural não existe e, na falta de argumentos para lastrear a opinião, arrematar o texto com uma frase debochada é realmente lamentável.
Mero reflexo do nível intelectual dos profissionais de advocacia em nosso país: sobram frases prontas e debochadas, faltam argumentos.

Ledo engano!

João B. (Advogado Autônomo)

Empresas não desejam investir no Brasil devido à insegurança jurídica causada pelo presidente da república que, ao criar falsas acusações contra o voto eletrônico, ameaça o próprio sistema democrático, desejando criar uma instabilidade que nenhuma grande empresa deseja.
No mais, o Carrefour, e demais empresas, para evitar multas como essas, terão de investir em equipes de trabalho próprias em vez de terceirizar, dando treinamento e fazendo uma triagem, excluindo perfis racistas e homofóbicos de seus quadros.

Ao Saulo Vinícius (Outros)

Afonso de Souza (Outros)

Posso até concordar com as outras críticas, mas não dá para dizer categoricamente que existe racismo estrutural no Brasil - sequer conseguem definir direito o que seria isso - nem criticar assim quem opine nesse sentido.
Aliás, não dá para garantir que o caso no Carrefour tenha sido racismo.

Ao João B. (Advogado Autônomo)

Afonso de Souza (Outros)

Ledo engano o seu. O Brasil tem problemas que afastam os investidores há tempos. Um deles, talvez o principal, a opacidade e imprevisibilidade das regras - por exemplo, as dos impostos. O atual presidente está não cargo desde 2019 e não alterou tanto essa situação, talvez até a tenha melhorado em alguns aspectos, vide o relativo sucesso nos leilões das concessões. (Pode-se também dizer que isso aconteceu pelas mãos de um ou outro ministro, e não pelas do presidente, ou ainda apesar dele, e não por causa dele, mas aí já seria outra história).
P.S. Curioso como em tudo agora se coloca o atual presidente no meio.

Caminho Perigoso!

Eliel Karkles (Advogado Autônomo - Civil)

Estamos trilhando um caminho muito perigoso. Alguém tem dúvida que haverá abusos? Colocar milhões de reais em um fundo "sem dono" não resolve nada. Alguns de locupletarem do valor, também não é. Um verdadeiro enriquecimento. Um cidadão de conduta duvidosa, "virou um santo" depois que foi morto. Esta é a verdade.

Mais um "cidadão de bem" viajando na maionese

Ovídio (Outro)

Em primeiro lugar, as indenizações em ações coletivas não são destinadas "a fundos sem dono". A destinação é para fundos que promovem ações para a defesa dos bens jurídicos lesados.

Em segundo lugar, não se trata de tratar a vítima como um "santo", mas de coibir condutas que atingem segmentos inteiros da população.

Comentar

Comentários encerrados em 23/08/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.