Consultor Jurídico

Saiu barato

STJ anula acórdão que alterou critério de correção de indenização por dano material

Por entender que no julgamento de segunda instância houve violação ao Código de Processo Civil, a 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça acolheu o recurso especial de um banco e rescindiu acórdão do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS) que, ao apontar que uma condenação por dano material deveria ser calculada como determinado na sentença, estabeleceu que a correção dos valores deveria ocorrer com base na taxa de juros do cheque especial.

O banco conseguiu reduzir o valor da indenização a ser paga por danos materiais
Marcello Casal Jr./ABr

No entanto, a sentença havia fixado que essa correção deveria ser realizada com base no Índice Geral de Preços Mercado (IGP-M), e não conforme a taxa do cheque especial.

Na fase de execução de sentença — decorrente de condenação por dano moral e material —, o credor informou que o banco lhe devia mais de R$ 1,9 milhão, mas a instituição financeira sinalizou excesso de execução e alegou que o valor real seria de aproximadamente R$ 60 mil.

O juízo de primeiro grau julgou procedente a impugnação e determinou que os danos materiais fossem corrigidos de acordo com o IGP-M, mas o TJ-RS, apesar de determinar o cálculo conforme a sentença, acabou concluindo que a correção dos valores deveria ser realizada com base na taxa de juros do cheque especial. Posteriormente, por fundamentos semelhantes, a corte estadual negou a ação rescisória do banco.

O ministro Marco Aurélio Bellizze, relator do recurso especial, destacou que, no julgamento da apelação, o desembargador revisor divergiu do relator apenas em relação ao dano moral, não havendo, em sua manifestação, qualquer menção ao dano material.

Assim, em relação a esse dano, o ministro afirmou que prevaleceu o voto do desembargador relator — que, nos termos da sentença, fixou a correção monetária pelo IGP-M — e, quanto ao dano moral, o voto divergente do revisor, que apenas reduziu o valor da condenação.

"Dessa forma, sendo nítida a violação ao artigo 485, inciso IV, do CPC/1973 (artigo 966, inciso IV, do CPC/2015), considerando a ofensa à coisa julgada, impõe-se o provimento do recurso especial para reformar o acórdão recorrido", concluiu o relator ao rescindir o acórdão do TJ-RS e restabelecer a decisão de primeiro grau que fixou a correção do dano material com base no IGP-M. Com informações da assessoria de imprensa do STJ.

Clique aqui para ler o acórdão
REsp 1.655.856




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 13 de agosto de 2021, 13h11

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 21/08/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.