Consultor Jurídico

"Tô nem aí pra isso"

TJ-SP instaura PAD e afasta juiz que minimizou Lei Maria da Penha

Por 

Por unanimidade, o Órgão Especial do Tribunal de Justiça de São Paulo determinou a instauração de um procedimento administrativo disciplinar contra o juiz Rodrigo de Azevedo Costa, que disse "não estar nem aí para a Lei Maria da Penha" durante uma audiência.

TJ-SPTJ-SP instaura PAD e afasta juiz que minimizou Lei Maria da Penha

O corregedor-geral da Justiça de São Paulo e relator do caso, desembargador Ricardo Anafe, concluiu que o juiz cometeu, em tese, infrações disciplinares previstas na Lei Orgânica da Magistratura e no Código de Ética da Magistratura.

Com isso, o caso foi levado ao Órgão Especial, que rejeitou a defesa prévia do magistrado e optou pela instauração do PAD. Anafe chamou de "surreal" a conduta de Costa durante a audiência. 

Afastamento cautelar
Por maioria de votos, também foi determinado o afastamento cautelar do magistrado, por sugestão do presidente do TJ-SP, desembargador Geraldo Pinheiro Franco. "Confesso que em mais de 40 anos de magistratura, nunca tinha presenciado um fato dessa gravidade", afirmou Pinheiro Franco, conforme reportagem publicada pelo UOL.

Desde fevereiro, Costa atuava na 3ª Vara do Juizado Especial da Fazenda Pública de São Paulo. Agora, ficará afastado do cargo até a conclusão do processo administrativo disciplinar. 

Ficaram vencidos os desembargadores Ricardo Anafe, Damião Cogan, Evaristo dos Santos, João Carlos Saletti, Antonio Celso Aguilar Cortez, Jacob Valente, Soares Levada e Torres de Carvalho, que votaram contra o afastamento do magistrado.

Relembre o caso
O juiz ficou conhecido por ter desdenhado da Lei Maria da Penha em uma audiência. "Se tem lei Maria da Penha contra a mãe (sic), eu não tô nem aí. Uma coisa eu aprendi na vida de juiz: ninguém agride ninguém de graça", disse o juiz, em vídeo que viralizou em dezembro do ano passado após reportagem do portal UOL.

Com a repercussão do caso, Costa foi removido da Vara da Família e Sucessões e passou a ser investigado pela Corregedoria. 




Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 29 de abril de 2021, 9h24

Comentários de leitores

3 comentários

Só mesmo a imprensa para fazer a CGJ do TJSP se mexer

Carlos Alvares (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Todos sabem que, caso não tivesse vazado para a imprensa a filmagem da audiência, não adiantaria reclamar/denunciar/representar o tal juiz que não daria em nada, ou seja, 100% de certeza que a CGJ iria arquivar com os argumentos patéticos de sempre.

Aliás, ouso dizer que, neste caso, não acontecerá nada com o rebelde juiz. Talvez uma suspensão remunerada de 30 dias = férias.

juiz e maria da penha afastamento

Eugenio pedro bibiano timóteo dos santos (Advogado Autônomo)

o culto magistrado, infelizmente deu uma pisada no tomate, mas não tão grave, mas dura a lei., se fosse aplicar pena de censura, com certeza, não seria afastado cautelarmente conforme a lei orgânica da magistratura, era juiz auxiliar, foi para o juizado especial da fazenda, chumbo grosso....que esteja enganado..

Absurdo!

André Soler (Procurador do Município)

O Juiz pode entender que a Lei é inconstitucional, mas não pode criticá-la?

E se eu me caso com a Jéssica Bate Estaca? Tô ferrado? Apanho em casa e apanho na justiça, porque para mim não se usa a Lei 9.099/95?

Tô fora desse ordenamento desvirtuado sem regras concretas e à mercê de 11 pessoas comuns que se vestem com uma roupinha preta estranha, uma 'saia de ombro' preta! Kkkkkkkk

Comentários encerrados em 07/05/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.