Consultor Jurídico

imperícia funcional

Paciente que ficou com cateter no corpo deve ser indenizada

Por constatar a responsabilidade civil do Estado nas condutas de seus agentes, a 1ª Vara da Fazenda Pública de João Pessoa condenou a prefeitura da cidade a indenizar em R$ 30 mil uma paciente que ficou com um cateter dentro do corpo.

123RF

A autora foi submetida a uma cirurgia de retirada da vesícula biliar em um hospital público. Mas após o procedimento, teve cinco crises de convulsão, e por isso foi transferida para a UTI. Quando o médico tentava pulsionar a paciente, um cateter se quebrou na veia jugular direita. Mais tarde, a mulher recebeu alta mesmo com o instrumento em seu corpo.

Para a juíza Ivanoska Maria Esperia Gomes dos Santos, o caso demonstra imperícia funcional e descuido dos agentes públicos no trato da paciente. "Age com imperícia o agente público quando lhe falta de habilidade específica para a realização de uma atividade técnica ou científica, o bastante para ministrar todo o substrato da culpa", explicou.

Com a evidência do dano e da causalidade, a magistrada entendeu que "o direito de reparação se apresenta favorável no que se refere ao dano moral". Com informações da assessoria do TJ-PB.

Clique aqui para ler a decisão
0804298-24.2020.8.15.2001




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 21 de abril de 2021, 11h07

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 29/04/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.