Consultor Jurídico

Livre Convencimento

Progressão de regime não está condicionada a exame criminológico, diz TJ-SP

Por 

Em razão do princípio geral de livre convencimento do julgador na apreciação das provas, o juízo de Execução Penal não precisa condicionar a progressão de regime ao exame criminológico do condenado.

StokketeProgressão de regime não está condicionada a exame criminológico, diz TJ-SP

O entendimento é da 15ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo ao negar recurso do Ministério Público contra a progressão para o regime semiaberto de um homem condenado a oito anos, dez meses e 20 dias de reclusão por roubo majorado.

Além de argumentar que o preso não teria preenchido os requisitos para a progressão, o MP também pediu que fosse feito exame criminológico. Os pedidos foram negados pelo relator, desembargador Willian Campos, que manteve a decisão do juízo de origem que considerou desnecessário o exame criminológico.

"O parecer técnico da equipe multidisciplinar constitui importante ferramenta para aferir a capacidade do condenado de adaptar-se ou não a regime menos rigoroso. É claro que, em face do princípio geral de livre convencimento do julgador na apreciação das provas, vigente no processo penal, não está o douto juízo das Execuções Criminais subordinado ao exame criminológico ou ao simples atestado de conduta carcerária", disse.

De acordo com Campos, ao magistrado cabe verificar se o condenado possui maturidade para um regime prisional mais brando e, por essa razão, a legislação deixa ao arbítrio do juiz o exame das condições subjetivas do reeducando, "considerando que a progressão não constitui direito absoluto".

Exame incompleto
Em decisão semelhante, a 11ª Câmara de Direito Criminal do TJ-SP também negou pedido do MP contra a progressão de regime de um condenado em razão do exame criminológico estar incompleto, sem avaliação psiquiátrica. O réu foi condenado a 19 anos, 10 meses e 26 dias de prisão por crimes de roubos qualificados.

Para a relatora, desembargadora Maria Tereza do Amaral, a ausência da avaliação psiquiátrica na elaboração do laudo criminológico não tem o condão de modificar a decisão de primeira instância, que havia autorizado a progressão do réu ao semiaberto. 

"A avaliação técnica contida nos autos é esclarecedora e o fato de não conter o parecer profissional da área psiquiátrica, não atendendo totalmente o disposto no artigo 7º da Lei de Execução Penal, não impede, por si só, a concessão da progressão prisional, já que as outras avaliações presentes no exame são favoráveis ao condenado", afirmou.

A magistrada também observou que, com o advento da Lei 10.792/03, dando nova redação ao artigo 112, caput, da Lei 7.210/84, o exame criminológico tornou-se dispensável.

Súmulas do STF e STJ
Ao negar recurso do MP contra a progressão de regime de um homem condenado a sete anos e onze meses de prisão por tráfico de drogas, a 16ª Câmara de Direito Criminal do TJ-SP citou precedentes do Superior Tribunal de Justiça (Súmula 439) e do Supremo Tribunal Federal (Súmula Vinculante 26) que facultam ao magistrado a decisão de pedir ou não o exame criminológico antes de conceder o benefício.

"E nessa toada, respeitados doutos entendimentos em sentido contrário, a exigência da realização do exame criminológico deve vir acompanhada de motivação idônea, vinculada à execução da pena, e centrada na análise individualizada da conduta do sentenciado e não baseada na opinião do julgador e na gravidade abstrata do delito praticado", afirmou o relator, desembargador Newton Neves.

No caso em questão, o magistrado citou a ausência de faltas disciplinares graves e o cumprimento das saídas temporárias de Natal e Ano Novo para justificar a ida do condenado ao semiaberto. "Dessa maneira, não se vislumbram motivos para que o sentenciado retorne ao regime fechado, ou que seja submetido a exame criminológico", completou.

0009281-20.2020.8.26.0344
7000177-97.2020.8.26.0047
0002312-62.2020.8.26.0158




Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 20 de abril de 2021, 9h27

Comentários de leitores

1 comentário

Esses, sim, fazem jus a independencia funcional do cargo.

FAB OLIVER (Médico)

Agora os magistrados que tem medo de aplicar o que tá vão aplicar o que ta na lei. É que muitos tem medo de aplicar a lei, sabe? Tém medo, por exemplo, de reconhecer uma ilegalidade num flagrante. Ja vi N vezes o preso mesmo muído no pau ter seu flagrante convertido em preventiva. O que me espanta ao longos desses anos sao alguns advogados serem a favor mais das suas vontades do que da lei. P. ex. qdo criticam um ministro ou a aplicacão do q ta na lei. Percebe-se que essas pessoas nao sao advogados natos, mas pessoas casuísticas q defendem situacões casuítiscas. Onde um advogado da envergadura do saudoso Marcio Thomas Bastos criticaria defenderia, por exemplo, certas coisas da lava jato? Mas aqui na conjur ha aos montes.

Comentários encerrados em 28/04/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.