Consultor Jurídico

Princípio de igualdade

Multa e honorários não podem incidir em dívida de recuperanda, diz STJ

O crédito sujeito ao processo de recuperação judicial não pode ser acrescido de multa e de honorários advocatícios. O entendimento é da 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça. 

Para ministra Nancy, credores devem ser tratados igualmente
Divulgação

O caso concreto envolve um pedido de indenização, em fase de cumprimento de sentença, ajuizado contra uma operadora de telefonia que se encontra em recuperação judicial. A empresa foi condenada por ter incluído indevidamente o nome da autora em cadastro restritivo de crédito. 

Para a relatora do processo, ministra Nancy Andrighi, a fase de cumprimento da sentença não poderia ter sido iniciada, uma vez que a liquidação do crédito só ocorreria depois de habilitado e de acordo com disposições do plano de recuperação. 

Ainda segundo a ministra, estando em curso processo recuperacional, a livre disposição, pela devedora, de seu acervo patrimonial para pagamento de créditos individuais violaria o princípio segundo o qual os credores devem ser tratados em condições de igualdade. 

"O fato gerador do crédito em discussão é anterior ao pedido de recuperação, de modo que não há dúvidas acerca de sua sujeição aos efeitos do processo de soerguimento", pontuou a ministra. 

Clique aqui para ler a decisão
REsp 1.873.081




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 19 de abril de 2021, 13h37

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 27/04/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.