Consultor Jurídico

Conversas Hackeadas

PF substitui delegado que usou "laudo paralelo" para beneficiar procuradores

A Polícia Federal decidiu tirar o delegado Felipe de Alcântara de Barros Leal do comando do Serviço de Inquéritos (Sinq) depois que ele fez uma dobradinha com o subprocurador-geral da República José Adonis Callou para desobedecer uma portaria da Procuradoria-Geral da República. 

Delegado se valeu de "laudo paralelo" que contestava autenticidade de conversas entre procuradores da "lava jato"
Divulgação

Leal deveria apurar se membros do Ministério Público Federal no Paraná investigaram ilegalmente ministros do Superior Tribunal de Justiça. Em vez disso, apontou supostas ilegalidades no inquérito aberto no STJ para investigar os procuradores. 

Com base em um laudo encomendado a três delegados da PF, Leal concluiu que as conversas entre procuradores do MPF de Curitiba, hackeadas por Walter Delgatti Neto, não eram autênticas. O laudo contraria um relatório anterior da PF que atestava a integridade dos diálogos lavajatistas. 

A conduta de Leal provocou mal-estar na cúpula da Polícia Federal, que considerou o texto do delegado "excessivamente opinativo", segundo fontes ouvidas pelo jornal O Globo

Na manifestação, Leal chegou a escrever que prosseguir com uma investigação que tem como base os diálogos hackeados resultaria na "eutanásia dos rumos da Polícia Judiciária", atingindo "todos os princípios que inspiram a atuação policial". 

O "laudo" da PF
No "laudo paralelo", três peritos da PF questionam a autenticidade das conversas entre os procuradores. Os peritos não cruzaram nem checaram informações, não auditaram os arquivos e, por fim, não indicaram uma única inconsistência para concluir que os diálogos "podem ter sido" adulterados.

A conclusão contrasta com um relatório mais abrangente, feito também pela PF, em 2019, que confirmou a integridade e autenticidade das conversas hackeadas. 

"Todos os dispositivos arrecadados foram submetidos a exames pelo Serviço de Perícias em Informática do Instituto Nacional de Criminalística da Polícia Federal, que objetivaram a extração e análise do conteúdo do material, com a elaboração de Laudo Pericial de Informática específico para cada item apreendido", diz o relatório de 2019.

"Dessa forma", conclui a PF, "qualquer alteração do conteúdo em anexo aos laudos (remoção, acréscimo, alteração de arquivos ou parte de arquivos), bem como a substituição por outro com teor diferente, pode ser detectada". 

Conforme mostrou a ConJur nesta quarta-feira (14/4), um terceiro laudo, esse feito pela defesa do ex-presidente Lula, também conclui que as conversas entre procuradores são autênticas. 




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 14 de abril de 2021, 13h28

Comentários de leitores

5 comentários

Comentário

Afonso de Souza (Outros)

Tendo sido "opinativo" ou não, o delegado ajudou a desfazer a narrativa dos que defendem Lula sobre a perícia acerca da autenticidade e integridade do material roubado pelos hackers.

Não

Afonso de Souza (Outros)

A PF nunca confirmou a integridade e autenticidade das (supostas) conversas hackeadas.
E nem poderia fazê-lo:

https://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2021/02/operacao-spoofing-prova-ilicita-e-imprestavel.shtml

Dá nada

AP Advocacia (Advogado Autônomo - Criminal)

Vai acontecer com o delegado e com os peritos o mesmo que ocorreu com o desembargador Siqueirinha, aquele da carteirada no GM em Santos que, mesmo após responder a mais de 40 PDs, nunca foi punido, isto sendo o TJ de São Paulo um dos mais rigorosos do Brasil na aplicação da lei - com os outros, não com os seus, claro.

Lembrem-se também dos 40 adiamentos levados a efeito pelo CNMP quando do julgamento do Deltan, fato que levou à prescrição do PD que respondia.

Se os investigados são integrantes do judiciário, MP e polícias não dá nadaaaaa.

É intuitivo que isto corrobora o estado de coisas que estamos vivendo, ou seja, ilegalidades para todo lado, descrédito na justiça e principalmente nos seus atores. Se fossem rigorosos com todos, inclusive com os seus, teriam um pouco de credibilidade. No entanto ao que parecem não estão preocupados com respeitabilidade e credibilidade, caso contrário não receberiam auxílios espúrios para burlar o IR num país de miseráveis como o nosso. Segue o jogo.

"A justiça é como uma serpente, só morde os pés descalços". Eduardo Galeano.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 22/04/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.