Consultor Jurídico

Lei sul matogrossense

Regime previdenciário de servidores não se aplica a auxiliares da Justiça

O Supremo Tribunal Federal julgou inconstitucional dispositivo de lei do Estado de Mato Grosso do Sul que incluiu notários e oficiais de registro no Regime Próprio de Previdência Social do Estado (MSPREV). Na sessão virtual concluída, no último dia 7, a unanimidade do Plenário seguiu o voto do relator, ministro Ricardo Lewandowski, e julgou procedente a ação direta de inconstitucionalidade ajuizada pela Procuradoria da República (contra o artigo 98 da Lei estadual 3.150/2005.

Reprodução

Em seu voto, o ministro Lewandowski destacou o entendimento firme do STF de que o regime previdenciário próprio dos servidores públicos (artigo 40 da Constituição da República) não se aplica aos auxiliares da Justiça, que não são detentores de cargo público efetivo.

Fica resguardado, no entanto, o direito dos notários e dos registradores que tenham reunido os requisitos necessários à aposentadoria antes das alterações promovidas pela Reforma da Previdência de 1998 (Emenda Constitucional 20/1998).

Ao citar diversos precedentes em casos análogos, o ministro citou o julgamento da ADI 2.791, em que foi declarada a inconstitucionalidade de artigo de lei do Paraná, com base no entendimento de que o estado-membro não pode conceder aos serventuários da justiça aposentadoria em regime idêntico ao dos servidores públicos. Por fim, lembrou que, com relação aos servidores sem vínculo efetivo, a Corte já decidiu que artigo 40, parágrafo 13, da Constituição Federal determinou sua filiação obrigatória ao Regime Geral de Previdência Social (RGPS). Com informações da assessoria do STF.

ADI 5.556




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 12 de abril de 2021, 21h32

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 20/04/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.