Consultor Jurídico

sacrifício cristão

Associação de advogados públicos repudia falas de André Mendonça

Por 

Em nota pública emitida nesta quinta-feira (8/4), a Associação Advogadas e Advogados Públicos para a Democracia (APD), entidade civil formada por membros da advocacia pública, repudiou uma sustentação oral do advogado-Geral da União, André Mendonça, que citou a Bíblia para defender a abertura de igrejas.

André Mendonça, advogado-geral da União e ex-ministro da JustiçaFabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Na quarta-feira (7/4), durante julgamento do Plenário do Supremo Tribunal Federal sobre a proibição de atividades religiosas presenciais em meio à crise de Covid-19, Mendonça afirmou que "não há cristianismo sem a casa de Deus, sem o dia do Senhor. E por isso que os verdadeiros cristãos não estão dispostos, jamais, a matar pela sua fé, mas estão dispostos a morrer pela liberdade de religião e de culto".

A APD interpretou que o advogado estaria sugerindo uma disposição dos cristãos a morrerem de Covid-19 em nome da liberdade. Ao fazer isso, ele estaria priorizando a liberdade de crença em detrimento do próprio direito à vida.

"André Mendonça não tem o direito de, extrapolando o exercício de sua função pública, pregar crenças religiosas particulares, confundindo os espaços público e privado, subvertendo a defesa do interesse público para a defesa de um fundamentalismo religioso", aponta o documento.

A associação considerou que a atitude de Mendonça seria uma afronta à diversidade religiosa e cultural do país, "que jamais admitiria essa espécie de sermão religioso sectário em um lugar instituído constitucionalmente para a defesa de todos".

Argumentação
Na ocasião, o AGU também citou um suposto estudo que relacionaria a frequência semanal a atividades religiosas com menores índices de suicídio.

Ao criticar a restrição dos cultos, Mendonça disse que seria contraditório manter medidas de distanciamento social em aeroportos mas colocar passageiros "como latas de sardinha" em aviões. Ele ainda questionou a liberação de reuniões de sindicatos, partidos políticos e associações e comparou o toque de recolher a medidas de repressão próprias de Estados autoritários.

Em seu voto, o ministro Gilmar Mendes criticou a sustentação de Mendonça e ressaltou que cabe à União legislar sobre o transporte nacional. "Quando Vossa Excelência fala dos problemas dos transportes no Brasil, especialmente no transporte coletivo, eu poderia ter entendido que Vossa Excelência teria vindo agora para a tribuna do Supremo de uma viagem a Marte, mas verifiquei que Vossa Excelência era ministro da Justiça e tinha responsabilidades institucionais, inclusive de propor medidas", destacou o magistrado.

Clique aqui para ler a nota da APD




Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 8 de abril de 2021, 17h32

Comentários de leitores

8 comentários

Ateus e materialistas histéricos

Paulo Marcelo (Advogado Autônomo - Civil)

Obvio que a fala do Chefe da AGU foi notável e, ao contrário do que a idiotice vista na reclamação proclama e urra (idiotice é um mal psiquico caracterizado pela insuficiencia quase total de consciência), tocou pertinentemente ao tema versado nas normas constitucionais, que, para infelicidade dos epigrafados, determina e garante a prática da religião sem qualquer limite, que a pior Corte Suprema acabou impondo sem base na Vontade Constitucional constante da Carta de 1988.
A liberdade individual e a garantia de culto estão sendo vulneradas por um Estado que se encontra em momento pré-fascista, cujas bases estão sendo dissimuladas pelo STF, que adere ao verdadeiro golpe entrevisto desde quando Bolsonaro foi eleito!

Responder

Ateus e materialistas histéricos

Paulo Marcelo (Advogado Autônomo - Civil)

Obvio que a fala do Chefe da AGU foi notável e, ao contrário do que a idiotice vista na reclamação proclama e urra (idiotice é um mal psiquico caracterizado pela insuficiencia quase total de consciência), tocou pertinentemente ao tema versado nas normas constitucionais, que, para infelicidade dos epigrafados, determina e garante a prática da religião sem qualquer limite, que a pior Corte Suprema acabou impondo sem base na Vontade Constitucional constante da Carta de 1988.
A liberdade individual e a garantia de culto estão sendo vulneradas por um Estado que se encontra em momento pré-fascista, cujas bases estão sendo dissimuladas pelo STF, que adere ao verdadeiro golpe entrevisto desde quando Bolsonaro foi eleito!

Responder

Deus é onipresente!

Neli (Procurador do Município)

Quem precisa de igreja para encontrar Deus, não tem fé.
A vida foi um bem que Deus me deu, então não cometerei o suicídio  e me aglomerar  na Igreja! Ademais, Deus está em todas as partes, para demonstrar a fé não há necessidade de ir à Igreja! Quem não tem fé necessita ir à Igreja para dizer que tem!
E falta, para muitos cristãos, o conhecimento nas Sagradas Escrituras: Mateus 22;21.
Se Jesus mandou separar o profano do Divino, quem é essa gente que quer descumprir a palavra?
E, recordo ao senhor advogado da união que no Brasil não tem apenas cristãos.
São múltiplas as religiões existentes e em sua manifestação aludiu apenas aos cristãos.
Errou!
Têm cristãos(sou Católica!), muçulmanos, judeus, budistas, xintoístas etc.
Pesquise-se.
E Deus é um só!
O cristão, seguindo a Palavra de Cristo, respeita o próximo.
E também os ateus devem ser respeitados.
O construtor da Cidade dos Mortos(mais de 351 mil brasileiros habitando lá, e minha irmã Clemeci desde 31/12), e não tem nenhuma Autoridade Nacional para dar um basta nisso?
JK construiu Brasília e o atual presidente a Cidade dos Mortos.

Responder

Ver todos comentáriosComentar