Consultor Jurídico

"FDP"

Advogado xinga juíza ao compartilhar tela durante audiência virtual

Durante uma audiência por videoconferência da 3ª Vara do Trabalho de Curitiba no último dia 22 de março, um advogado que compartilhava a tela de seu computador escreveu um xingamento aparentemente dirigido à juíza substituta Edineia Carla Poganski Broch. Após a magistrada rejeitar uma contradita, ele digitou "que filha da puta" em uma conversa particular no WhatsApp.

Dolar Photo Club

Na ocasião, a juíza imediatamente indagou o advogado pela conduta. Ele alegou que estaria se referindo à situação e não teria intenção de ofendê-la, e em seguida se desculpou. Nesta quarta-feira (7/4), Broch declarou sua suspeição no caso, que seguirá sob a condução de outro magistrado.

Também hoje, o Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região enviou ofício à OAB pedindo punição ao advogado. No documento, os desembargadores Sergio Murilo Rodrigues Lemos, presidente da corte, e Nair Maria Lunardelli Ramos, corregedora regional, apontaram "atuação descortês" do patrono.

Em nota pública, a Associação dos Magistrados do Trabalho da 9ª Região (Amatra 9) repudiou a atitude do advogado e manifestou apoio à Edineia. "A ofensa dirigida a uma magistrada não atinge apenas a figura da juíza no desempenho de suas funções, mas a dignidade de todo o Poder Judiciário", ressaltou a entidade, que também afirmou estar analisando as medidas aplicáveis.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 8 de abril de 2021, 15h48

Comentários de leitores

9 comentários

O pecado do colega foi transcrever o pensamento

Rodrigo P. Martins (Advogado Autônomo - Criminal)

E ouso dizer que muitos já pensaram o mesmo, só não transcreveram.

Infração Ética, reparação cível e possível processo criminal

Advogada Professora (Advogado Sócio de Escritório)

O advogado realmente se desculpou, ok, o que não impede o processamento de representação junto a OAB e, a ofendida poderá tomar as medidas que entender necessárias para a reparação de sua honra, isso no âmbito administrativo e cível.
Com relação a conduta criminal, não entendo que caiba à ofendida o direito ao processamento. Isso porque no caso ao que parece houve "injúria" (cujas desculpas foram aceitas) o que está abraçado pelo disposto no parágrafo 2 do art 7 do EOAB. Assim, reafirmando, o adv no caso escusou-se imediatamente, demonstrou sincero arrependimento, que foi aceito no momento da ofensa, afastando a imputação criminal. (Joice)

Complemento.

André Soler (Procurador do Município)

No fórum trabalhista da Barra Funda, em São Paulo, o prédio ícone da corrupção por conta do caso Lalau, no início de carreira, passei tanto constrangimento, que hoje não me importo com muito respeito e formalidade. E isso foi forjado em mim lá.
Se hoje fizerem o que fizeram, seria de filha da p... para cima, e pode representar. O que iria valer seria a confusão exposição. Não estudei a vida inteira para cumprir tabela. Sei que posso ser preso injustamente a qualquer momento, mas serei com a consciência tranquila e tendo conhecimento da balbúrdia que se encontra o cenário jurídico atual.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 16/04/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.