Consultor Jurídico

Sem doação ao SUS

Juiz do DF autoriza refinaria a comprar vacina para imunizar funcionários

O juiz Rolando Valcir Spanholo, da 21ª Vara Federal Cível do Distrito Federal, autorizou na quinta-feira (1/4) a refinaria Refit e as empresas do mesmo grupo a importarem 6,6 mil doses de vacina contra a Covid-19 para imunizar funcionários e familiares. A informação foi publicada pelo portal UOL.

Juiz da 21ª Vara Federal Cível do DF tem admitido que empresas importem vacinas para imunizar trabalhadores
Tânia Rego/Agência Brasil

Na decisão, o juiz desobriga a empresa a doar parte do estoque que for adquirido ao Sistema único de Saúde (SUS), no mesmo formato do que concedido há uma semana, quando fez o mesmo em favor de sindicatos.

Ao permitir a vacinação, o juiz declarou a inconstitucionalidade de dois dispositivos da Lei 14.125/2021, que dispõe sobre a aquisição e distribuição de vacinas por pessoas jurídicas de direito privado.

O julgador considerou contrários à Constituição Federal a expressão "desde que sejam integralmente doadas aos SUS", no caput do artigo 2º, e a íntegra do parágrafo 1º. O dispositivo tem a seguinte redação:

"Após o término da imunização dos grupos prioritários previstos no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19, as pessoas jurídicas de direito privado poderão, atendidos os requisitos legais e sanitários, adquirir, distribuir e administrar vacinas, desde que pelo menos 50% das doses sejam, obrigatoriamente, doadas ao SUS e as demais sejam utilizadas de forma gratuita".

Em decisões na 21ª Vata Federal Cível do DF, ele tem criticado a burocracia e a morosidade na concessão de prévia autorização excepcional para a importação de vacinas.

O julgador aponta a entrada da iniciativa privada na imunização como um complemento ao governo federal, em benefício da luta contra a epidemia.

No início de março, Rolando Valcir Spanholo admitiu a compra de imunizantes por sindicato de motoristas e pela Associação Nacional de Magistrados Estaduais. Ambas as decisões foram suspensas pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região, por violação ao princípio da separação dos poderes.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 2 de abril de 2021, 14h20

Comentários de leitores

1 comentário

Dificil dr entender

FAB OLIVER (Médico)

O BR as vezes me cansa. As vezes da vontade de largar tudo aqui e tentar a sorte noutro país.

O S de sistema e o U de único nunca fez tanto sentido no momento que vivemos, exceto para algumas pessoas que ou vivem numa bolha ou vivem numa casta.

O que me conforta é que se o Poder Judiciário nao tem bom senso e vai descentralizar, tornando um salve-se quem puder, felizmente as farmaceuticas tem e so vendem para uma autoridade central.!

Comentários encerrados em 10/04/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.