Consultor Jurídico

Sem consenso

Julgamento de greve dos Correios no TST será transmitido a partir das 13h30

Atualização: TST tem maioria para declarar não abusividade da greve

O Tribunal Superior do Trabalho julga nesta segunda-feira (21/9) o dissídio coletivo em que a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) pede a declaração da abusividade da greve de seus empregados, iniciada em 17/8. A sessão de julgamento da Seção Especializada em Dissídios Coletivos (SDC) está marcada para as 13h30, por videoconferência, e será transmitida em tempo real pelo canal do TST no YouTube, no link disponível no fim da matéria.

O julgamento foi designado pela relatora, ministra Kátia Arruda, depois de duas tentativas de solução consensual para o conflito. Em 27/8, o vice-presidente do TST, ministro Vieira de Mello Filho, se reuniu com a empresa e as entidades sindicais representantes dos empregados e propôs a renovação das 79 cláusulas vigentes, sem reajustes nas cláusulas econômicas. A proposta foi rejeitada pela empresa. 

Em 2/9, a relatora concedeu liminar para determinar a manutenção de 70% dos trabalhadores em cada unidade e vedar a realização de descontos relativos aos dias de paralisação. Em 11/9, ela promoveu nova audiência de conciliação, mas as negociações não avançaramCom informações da assessoria de imprensa do Tribunal Superior do Trabalho.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 21 de setembro de 2020, 12h53

Comentários de leitores

5 comentários

Greve abusiva

Walter Sebastião Ribeiro (Engenheiro)

Nesta pandemia, estava utilizando os correios pra vendas de meus produtos, estou a 30 dias sem vender devido a esta greve abusiva. Pergunto e hora de fazer greve, sendo que o mundo inteiro está passando por este caos, quem vai pagar meu prejuízo, por isso concordo que os correios não pode deter o monopolio, optei por vender online pra sobreviver. Fazer greve enquanto milhões de pessoas estão morrendo e sofrendo, é uma peversidade.

Correio não detém monopólio para entrega de encomendas

Paola Machado Ferreira (Advogado Assalariado - Trabalhista)

Por que o senhor não contratou uma transportadora privada para fazer a entrega dos seus produtos?? Para sua informação os correios só detém o monopólio postal, isto é, de correspondências, não detém monopólio para entrega de encomendas.

Mudou ?

LunaLuchetta (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

Em sustentação oral, não se lê a peça, pois não ?

Correios

Professor Edson (Professor)

Essa greve só serviu para provar como é absolutamente dispensável os correios, ainda mais hoje com as transportadoras cada vez mais rápidas e baratas.

correios

Katherine Santos (Outros)

Curioso que as empresas que o sr tanto admira não entregam em todo o país, no fim das contas despejam nos Correios o que vc pediu.
Retirada de direitos trabalhistas não pode ser relativizada, pense coletivamente!!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 29/09/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.