Consultor Jurídico

Operação internacional

Justiça pede investigação de sumiço de bens e documentos guardados pelo MPF

Retornar ao texto

Comentários de leitores

10 comentários

Depósito de bens

Servidor estadual (Delegado de Polícia Estadual)

Manter bens em depósitos enquanto se aguarda decisão final sempre foi uma grande dificuldade da polícia, já que muitas vezes se desenha claramente que a devolução do bem virá, ou ainda, se a devolução ocorrer antes do fim do processo não trará prejuízos, mas há muita resistência do Ministério Público e do judiciário em mudar tal prática. Talvez agora, padecendo como nós talvez ao menos o MPF vire nosso aliado.

Justiça pede investigação ...

Arlete Pacheco (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Diz a sabedoria popular que um erro não justifica outro. Mesmo que até possa ser um erro um órgão que acusa também investigar, nada justifica sumiço ou destruição de bens e documentos.

Brasil sem segurança jurídica

Antonio Maria Denofrio (Advogado Autônomo - Civil)

De tempos para cá o Brasil, além de ser um país com desajustes econômicos, sociais, virou um país sem cumprimento de leis, principalmente de parte das autoridades e sem nenhuma segurança jurídica. Estamos vivendo o que pode ser chamado de ditadura do Ministério Público e de boa parte da Justiça. Não esperava ver isso. Também estou de acordo com os comentários já apresentados.

É o judiciário

olhovivo (Outros)

Com a devida vênia, não existe ditadura do MP, pois este apenas requer, como o fazem os advogados. A culpa é do Judiciário, no qual há juízes de todos os graus que se limitam a chancelar os pedidos e denúncias (precedidos de shows midiáticos), mesmo quando teratológicos. Se houvesse mais juízes efetivamente cônscios de seu papel, haveria órgãos persecutórios mais responsáveis e menos inclinados ao vedetismo.

A que nível chegamos.

LuizD'grecco (Outros)

Me lembro que nesse período haviam uma investigação em andamento no MPF-RJ em que Léo Pinheiro do grupo INVEPAR-LAMSA-OAS estaria comprometido com uma delação premiada, as delações desse grupo quase sempre tem noticias de propina a ministros do STF entre outros do Poder Judiciário.

Resta saber qual foi o meio utilizado para transferir esses documentos para a POLICIA FEDERAL que la nunca chegaram. Se foi transportadora de valores ou agentes em viaturas oficial da PF.

De qualquer forma é uma situação que não é atípica, o judiciário esta infestado desse tipo de crime. Processos, principalmente os físicos, não só somem como são adulterados, enxertados, para dar cobertura a bandidos em troca de propina.

O judiciário esta de mal a pior sem credibilidade e com os poucos honestos encurralados nas suas cortes, amedrontados, sem ter a quem recorrer, e quando recorrem sem ter solução.

Lamentável !!!

Poder de investigação indevido

magnaldo (Advogado Autônomo)

Será que o MP desconhecia ou não sabe o que é exequatur? O MP tem poderes excessivos e como órgão de acusação, portanto parcial por natureza, jamais deveria investigar diretamente. Os engavetamentos de processos e distorções já noticiados nós últimos anos, bem comprovam o grande equívoco ao se permitir ao órgão de acusação investigar, o que tem possibilitado fatos como esse pra divulgado.

E Se Acontecesse com Advogados Privados em Banânia?

Immanuel Kant (Advogado Sócio de Escritório)

Se ocorresse lá em Banânia, com advogados privados, esses causídicos seriam crucificados pela Justiça de Banânia. O corporativismo da corporação deles não seria suficiente para protegê-los. Simples assim.

É só fazer um PowerPoint!!!

Bruno Castellar (Advogado Autônomo - Administrativa)

Faz um PowerPoint para explicar como aconteceu!

Que feio hein!

olhovivo (Outros)

E a corregedoriazinha nada né?

Como é que é ?

Rejane G. Amarante (Advogado Autônomo - Criminal)

Só faltava uma CPI do Ministério Público.

Comentar

Comentários encerrados em 24/09/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.