Consultor Jurídico

Pedido de Aras

Toffoli arquiva inquéritos abertos a partir da delação de Cabral

O ministro Dias Toffoli arquivou todos os inquéritos decorrentes da delação do ex-governador do Rio de Janeiro, Sergio Cabral. A decisão foi tomada antes de o ministro deixar a presidência do Supremo Tribunal Federal. Na quinta-feira (10/9), Toffoli foi substituído no cargo pelo ministro Luiz Fux.

Delação de Sergio Cabral foi homologada pelo Supremo em fevereiro de 2020 
Alex Ferro/ Rio 2016

O arquivamento se deu a pedido da Procuradoria-Geral da República, que não viu elementos suficientes para justificar as apurações. Em fevereiro, a delação fora homoloagada pelo ministro Luiz Edson Fachin.

Ao todo, foram arquivados 12 inquéritos, envolvendo ministros do Tribunal de Contas da União, do Superior Tribunal de Justiça e deputados federais. Assim, nenhuma das autoridades, cujo foro de ação é o Supremo, será investigada.

O Procurador-Geral da República, Augusto Aras, foi contrário à homologação da delação de Cabral. Na ocasião, lembrou que Cabral ocultou informações e protegeu pessoas durante a negociação do acordo com o grupo de procuradores da 'lava jato' no Rio de Janeiro.

Preso desde novembro de 2016, ex-governador já foi condenado 13 vezes e suas penas, somadas, chegam a 280 anos de prisão.

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 15 de setembro de 2020, 22h04

Comentários de leitores

2 comentários

Devolve 380 milhões ?

Rejane G. Amarante (Advogado Autônomo - Criminal)

Não viram aquele famoso vídeo dos "guardanapos"?
E nenhum ministro de tribunal nem deputado federal vai ser investigado ?
E foi o Min. Toffoli que mandou arquivar ?
Há indícios, e daí ! É isso mesmo ?

...

LeandroRoth (Oficial de Justiça)

Lembrando que para o prosseguimento de um inquérito basta a POSSIBILIDADE de que existam delitos, e para a denúncia exigem-se INDÍCIOS. Absoluta nenhuma das delações do Cabral permitia sequer deduzir a possibilidade da ocorrência de crimes? Tem quer muito ingênuo pra achar que isso é uma expressão de "garantismo". Eu não acredito em Papai Noel.

Comentários encerrados em 23/09/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.