Consultor Jurídico

Mais Um

Secretário estadual de Educação do Rio é preso por acusação de corrupção

Pedro Fernandes, secretário estadual de Educação do Rio de Janeiro, foi preso na manhã desta sexta-feira (11/9) em consequência de uma operação policial que investiga a suspeita de desvios em contratos de assistência social no governo fluminense e também na Prefeitura do Rio.

Por estar com Covid-19, Pedro Fernandes teve direito a prisão domiciliar
Divulgação

De acordo com o Ministério Público do Rio de Janeiro e a Polícia Civil, o esquema de corrupção pode ter desviado até R$ 30 milhões dos cofres públicos entre os anos de 2013 e 2018.

O secretário afirma que não teve acesso ao processo nem foi ouvido pelas autoridades. Também disse não saber pelo que estava sendo investigado — leia íntegra da nota, abaixo.

Segundo a acusação do MP-RJ, Fernandes foi preso por causa de sua atuação no comando da Secretaria Estadual de Tecnologia e Desenvolvimento Social nos governos de Sérgio Cabral e Luiz Fernando Pezão. Ele passou a ocupar a pasta da Educação quando Wilson Witzel assumiu a direção do Estado.

Por ter apresentado um exame positivo para Covid-19, o secretário teve a prisão preventiva convertida em domiciliar.

A polícia tinha ainda um mandado de prisão contra a ex-deputada federal Cristiane Brasil, filha do também ex-deputado Roberto Jefferson, por causa da acusação de irregularidades praticadas entre maio de 2013 e maio de 2017, quando ocupou secretarias municipais nas gestões de Eduardo Paes e Marcelo Crivella. Ela, porém, não foi encontrada em sua casa.

Defesa
A assessoria de imprensa do secretário divulgou nota a respeito:

"Pedro Fernandes ficou indignado com a ordem de prisão. Seu advogado Márcio Engelberg Moraesele vinha pedindo acesso ao processo desde o final de julho, mas não conseguiu. A defesa colocou Pedro à disposição das autoridades para esclarecimentos na oportunidade. No entanto, Pedro nunca foi ouvido e soube pela imprensa que estava sendo investigado por algo que ainda não tem certeza do que é. Pedro confia que tudo será esclarecido o mais rápido possível e a inocência dele provada."




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 11 de setembro de 2020, 10h23

Comentários de leitores

1 comentário

Secretário

O ESCUDEIRO JURÍDICO (Cartorário)

Pedro Henrique Fernandes da Silva, mais conhecido como Pedro Fernandes ou Pedro Fernandes Neto (Rio de Janeiro, 22 de abril de 1983), é um dentista, político e professor brasileiro, foi preso no dia 11/09/2020, na segunda fase da Operação Catarata, que investiga supostos desvios em contratos de assistência social no governo do estado e na Prefeitura do Rio. É filho da vereadora carioca Rosa Fernandes e neto do ex-deputado estadual Pedro Fernandes Filho. Atualmente filiado ao Partido Social Cristão (PSC), Pedro Fernandes é titular da Secretaria de Estado de Educação (SEEDUC) desde janeiro de 2019.O político já foi filiado anteriormente aos seguintes partidos políticos: Democratas (DEM); Movimento Democrático Brasileiro (MDB); Solidariedade (SD); e Partido Democrático Trabalhista (PDT).
Graduado em Odontologia pela Universidade Iguaçu (UNIG), Pedro Fernandes fez mestrado profissional em Gestão Empresarial na Fundação Getulio Vargas (FGV), pós-graduação em políticas públicas no Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (IUPERJ) e cursos de extensão nas seguintes universidades estrangeiras: Harvard (EUA), Salamanca (ESP) e George Washington (EUA).Atualmente é doutorando em Gestão pela FGV, cujo curso é realizado em parceria com a ESC Rennes.
Antes de exercer cargos eletivos e comissionados, Pedro Fernandes foi assessor parlamentar e subprefeito do Grande Irajá e Penha. Entre 2007 e 2018, Pedro foi deputado estadual pelo estado do Rio de Janeiro. O político também teve passagens por diversas secretarias tanto do Governo do Estado do Rio de Janeiro quanto da Prefeitura do Rio de Janeiro. Em 2008, foi candidato a vice-prefeito do Rio de Janeiro na chapa de Solange Amaral.[ Já em 2018, Fernandes foi candidato a governador (Fonte Wikipédia).

Comentários encerrados em 19/09/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.