Consultor Jurídico

Fraudes na saúde

Ministro Benedito Gonçalves decreta prisão preventiva de Pastor Everaldo

A pedido da Procuradoria-Geral da República, o ministro do Superior Tribunal de Justiça Benedito Gonçalves converteu a prisão temporária do Pastor Everaldo em preventiva. Presidente nacional do PSC, Pastor Everaldo é suspeito de envolvimento em fraudes na área da saúde do Rio de Janeiro.

Agência BrasilMinistro do STJ decreta prisão preventiva de Pastor Everaldo, presidente do PSC

Na mesma decisão, o ministro mandou soltar os demais investigados que estavam em prisão temporária, incluindo o ex-subsecretário de Saúde do Rio Gabriell Neves. A informação foi divulgada neste sábado (5/9) pelo jornal O Globo.

Em nota, a defesa do pastor afirmou que ele é alvo de uma delação premiada mentirosa (do ex-secretário estadual de Saúde, Edmar dos Santos) e que "afirma sua inocência, confiança na Justiça e fé em Deus".

De acordo com o Ministério Público Federal, o pastor Everaldo lideraria um dos grupos criminosos influentes nos poderes Executivo e Legislativo do Rio, especialmente no governo de Wilson Witzel. As investigações apontaram que o presidente do PSC comandaria várias contratações e teria controle sobre orçamentos na Secretaria da Saúde e em outros órgãos estaduais.

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 5 de setembro de 2020, 15h15

Comentários de leitores

1 comentário

Brilhante pastor

O ESCUDEIRO JURÍDICO (Cartorário)

Everaldo Dias Pereira, conhecido como Pastor Everaldo (Rio de Janeiro, 22 de fevereiro de 1956), é um pastor evangélico, empresário e político brasileiro. É um importante nome da igreja Assembleia de Deus e presidente do Partido Social Cristão (PSC), pelo qual foi candidato ao cargo de presidente da República nas eleições de 2014, ficando em 5º lugar na disputa, com 0,75% dos votos.
Em 28 de agosto de 2020, Everaldo foi preso por determinação do Superior Tribunal de Justiça, sob acusação de corrupção e lavagem de dinheiro ocorridos durante a pandemia de COVID-19 no estado do Rio de Janeiro, na gestão de seu correligionário Wilson Witzel" (Fonte Wikipédia).

Comentários encerrados em 13/09/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.