Consultor Jurídico

Responsabilidade objetiva

Por ponte em mau estado, Florianópolis deve indenizar homem que dela caiu

Por 

O Estado responde objetivamente por acidente causado por má-conservação de equipamentos públicos. Com esse entendimento, a 1ª Câmara de Direito Público condenou o município de Florianópolis a pagar indenização por danos morais e materiais de R$ 15.250,52, além de pensão mensal, a um homem que sofreu acidente quando atravessava ponte sobre o rio Sangradouro, que separa as praias da Armação e do Matadeiro. A decisão é de 25 de agosto.

Homem caiu de ponte que separa praias da Armação e do Matadeiro (foto)
Reprodução

A ponte, cujo mau estado havia sido apontado pela Defesa Civil, desabou durante a travessia do homem, que sofreu queda de altura aproximada de dois metros e meio. Conduzido ao hospital, ele teve fratura na perna esquerda, que lhe custou 20 dias de internação e duas intervenções cirúrgicas, com redução permanente de 50% de sua capacidade laboral.

O relator do caso, desembargador Luiz Fernando Boller, avaliou que o município se omitiu ao não manter a ponte em boas condições. “É inarredável a responsabilidade civil do ente público, notadamente porque detinha o dever de realizar a manutenção e conservação da ponte”.

O magistrado destacou que o acidente reduziu a capacidade de trabalho do homem e lhe causou angústia, o que justifica a indenização por danos morais. Além disso, o município deve pagar os custos do autor com medicamentos, ressaltou.

Boller também entendeu ter ficada provada a ligação entre o acidente e a redução da capacidade laboral do homem, o que justifica que a cidade de Florianópolis lhe pague pensão mensal de R$ 678 (o equivalente a metade de seu salário à época) até que ele complete 70 anos.

Clique aqui para ler a decisão
Processo 0014393-61.2013.8.24.0023

Topo da página

 é correspondente da revista Consultor Jurídico no Rio de Janeiro.

Revista Consultor Jurídico, 3 de setembro de 2020, 21h57

Comentários de leitores

1 comentário

Ressarcimento / Direito Regressivo.

Eliel Karkles (Advogado Autônomo - Civil)

A decisão de 1º e 2º grau estão corretas. Se havia uma ponte que não recebeu conservação, e gerou um dano, o município deverá pagar. A questão é: Quando o município é culpado, todos o são também, inclusive o julgador, enquanto cidadão. Na minha humilde ótica, o culpado é o Secretário de Obras que foi incompetente, o prefeito que deixou cair, e nesta hora não aparece o responsável. Muito querem cargo só para fazer política, e pouco se importam com a coisa pública. Quem a remuneração, querem o "status" o direito de nomear apadrinhados cabos eleitorais, e toda sorte de puxa saco. Deveriam responder pelo danos causados por omissão. Falta a boa procuradoria acionar os responsáveis e repassar a conta, sejam eles quais forem. Somente assim se terá moralidade e vergonha e honradez em fazer as coisas certas. Do contrário, só repassando a conta para a "viúva" (o município ou seja, nós mesmos), este tipo de atitude ou irresponsabilidade sempre será uma verdadeira "festa" com o dinheiro público.

Comentários encerrados em 11/09/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.