Consultor Jurídico

Parceria com a ConJur

AMB divulga vencedores de concurso de artigos nesta terça, a partir das 9h

A Associação dos Magistrados Brasileiros divulga, nesta terça-feira (1º/9), às 9h, os vencedores do I Concurso de Artigos Científicos do Centro de Pesquisas Judiciais (CPJ/AMB). A revista eletrônica Consultor Jurídico é parceira da iniciativa, que foi coordenada pelo diretor do Centro de Pesquisas Judiciais (CPJ), ministro Luís Felipe Salomão, do Superior Tribunal de Justiça.

O objetivo do concurso é incentivar a produção acadêmica e a análise crítica dos dados de duas pesquisas realizadas pela AMB: “Estudo da imagem do Judiciário brasileiro”, em colaboração com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), e “Quem somos. A magistratura que queremos”.

Ao todo, foram 41 artigos escritos por magistrados associados à AMB. Os três primeiros colocados recebem o troféu “Prêmio Ministro Carlos Alberto Menezes Direito” e a gratuidade da inscrição para o XXIV Congresso Brasileiro de Magistrados, promovido pela AMB. O segundo melhor artigo será contemplado ainda com a hospedagem. E o vencedor desta primeira edição leva todos os prêmios anteriores, mais a passagem área.

Os dez melhores artigos, conforme a pontuação obtida, serão publicados pela AMB em seus periódicos; a ConJur divulgará os 30 textos com a melhor qualificação.

O anúncio dos vencedores será feito no dia que marca os 11 anos da morte do homenageado pelo prêmio, Carlos Alberto Menezes Direito. "Por uma boa coincidência a memória dele vai ser lembrada através daquilo que ele mais cultuava que era o intelecto", afirmou o filho de Carlos Alberto, Gustavo Direito.

Acompanhe a divulgação dos resultados:




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 1 de setembro de 2020, 7h17

Comentários de leitores

1 comentário

COVID-19 X (ir)responsabilidade social da OAB

VASCO VASCONCELOS -ANALISTA,ESCRITOR E JURISTA (Administrador)

Por Vasco Vasconcelos, escritor, jurista e abolicionista contemporâneo.
COVID-19 X O LIVRE EXERCÍCIO PROFISSIONAL DOS 400 MIL CATIVOS DA OAB, jogados ao banimento.Assim como Martin Luther King" ganhador do Prêmio Nobel, I HAVE A DREAM (EU TENHO UM SONHO). O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigualdade, de descaso. (Darcy Ribeiro). Senhores membros da OIT, OEA, Tribunal Penal Internacional – TPI e ONU, foge da razoabilidade o cidadão acreditar nos governos omissos, covardes e corruptos, numa faculdade autorizada e reconhecida pelo Estado (MEC), com aval da OAB e depois de passar cinco longos anos, fazendo malabarismo, pagando altas mensalidades investindo tempo e dinheiro e depois de formado, atolado com dívidas do Fies, cheques especiais, negativado no Serasa/SPC, com o diplomas nas mãos, outorgado e chancelado pelo Estado (MEC), com o Brasão da República, ser jogado ao banimento, impedido do livre exercício da advocacia cujo título universitário habilita por um sindicato que só tem olhos para os bolsos dos seus cativos e/ou escravos contemporâneos. Onde está (ir) responsabilidade social desse governo e da própria OAB? A Carta Magna Brasileira foi bastante clara ao determinar em seu art. 170 que a ordem econômica está fundada no trabalho humano e na livre iniciativa e tem por finalidade assegurar a todos uma existência digna, conforme os ditames da justiça social, observando, entre outros, o princípio da busca pelo pleno emprego. A CF foi bastante clara ao determinar art. 170 que a ordem econômica está fundada no trabalho humano e na livre iniciativa e tem por finalidade assegurar a todos uma existência digna. Art.193 primado trabalho.

Comentários encerrados em 09/09/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.