Consultor Jurídico

"essa gentalha"

Advogada grava de forma involuntária juíza orientando promotora em SP

Por 

Diálogo foi gravado porque advogada esqueceu ligado o aparelho de gravação
Reprodução 

A advogada Telma Rosa Agostinho apresentou no último dia 26 um pedido de suspeição contra a juíza Sonia Nazaré Fernandes Fraga, da 24ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo.

O pedido foi motivado por um diálogo gravado de forma involuntária entre a magistrada e a promotora de Justiça Cristiane Melilo Dilascio Mohmari dos Santos. No áudio, juíza e acusação combinam detalhes do processo. Também criticam a advogada, afirmam que os policiais que prestaram depoimentos são "bandidos" e desabonam uma testemunha que compareceu com uma sacola de uma grife de roupas — que, segundo elas, deveria estar cheia de "muamba".

O caso ganhou repercussão após a publicação dos áudios pelo perfil Papo de Criminalista no Instagram, mantido pelo advogado Mário de Oliveira Filho, presidente Nacional de Prerrogativas da Abracrim. A entidade fará uma representação formal contra a magistrada no Conselho Nacional de Justiça. O post com a gravação conta até as 21h desta quinta-feira com mais de 9 mil audições. 

A gravação ocorreu no último dia 19 de outubro no juízo da 24ª Vara Criminal do Foro da Capital, quando se deu audiência de instrução e julgamento do processo envolvendo clientes da advogada.

Segundo o pedido de suspeição a que a ConJur teve acesso, a advogada narra que tem costume de gravar as suas audiências. Na ocasião, depois que as testemunhas foram ouvidas, foi concedido prazo aos defensores para a orientação do interrogatório dos acusados.

Conforme o texto, por falta de local apropriado, os acusados foram conduzidos para o corredor do fórum para serem atendidos pelos advogados. A defensora explica que esqueceu o gravador ligado na sala e foi surpreendida posteriormente ao ouvir o teor das gravações.

Na gravação, a juíza e a promotora também discutem o mérito do processo. A magistrada diz para a representante do Ministério Público acusar um dos ouvidos de falso testemunho. "Falso testemunho nesse aqui. Pode vir, viu doutora?", afirma a juíza em trecho do áudio.

"Doutora, mas é, a senhora pode, pede uma perícia. Vai, explora isso. Falar que veio aqui, que tá nitidamente envolvida. Ela é muito ruim, doutora", disse a magistrada à representante do MP.

Na peça, a advogada alega que tanto a juíza como a promotora de Justiça buscam juntas meios para condenar os acusados. "A juíza Sônia orienta a promotora de justiça a atuar contra testemunha requerendo o falso testemunho, acusa as testemunhas policiais de serem bandidos, imputa crime de calúnia contra a advogada, iria 'puxar' e 'tentar' 'condená-los'", diz trecho do documento. 

"Agora. O que vai ser difícil. doutora. é pegar o elo, o elemento subjetivo. (...)", afirma a juíza para a promotora.

No diálogo, a juíza afirma o seguinte sobre o testemunho dos policiais envolvidos no caso:

"Ahhh... Difícil. (...) Aí jogaram em quem? No outro, que tá preso. (...) Ah! Informação privilegiada, mas pera aí, não vai ficar claro. (...) Não vai ficar claro que é informação privilegiada. Não é bem assim, né? (...) Aí um policial. Até você, a senhora, até vou colocar. Colocar assim, que na polícia tudo foi dito, né?"

Em outro trecho da gravação, a atuação da advogada Telma Rosa Agostinho é tema da conversa. "E ela é muito sem educação. Quem é ela para dizer o que a juíza pode falar ou não pode falar? (trecho inaudível)', diz a promotora. O escrivão que também participava da conversa concorda e a juíza afirma que a defensora quer apenas "criar animosidade".

A juíza ainda critica o sotaque carioca da advogada e diz que a defensora só quer ganhar dinheiro defendendo o crime organizado. "Sei lá. Tá defendendo essa gentaiada (sic) aí do (trecho inaudível). Tá correndo atrás, doutora de ganhar dinheiro atrás desse crime organizado. Sabe, doutora?", questiona.

Após o pedido de suspeição, o caso passou a tramitar em segredo de Justiça.




Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 29 de outubro de 2020, 22h01

Comentários de leitores

29 comentários

Vivemos isso diariamente

Dr. Ronan Alencar - Advogado Criminalista (Advogado Sócio de Escritório - Criminal)

Quem milita na área criminal constata freqüentemente esse tipo de atitude. Magistrados orientando promotores e vice-versa. Trocas de mensagens pelo WhatsApp ... conversas ao pé do ouvido ... sem contar o chopp após o expediente.

Judiciário corrupto

claudenir (Outros)

Esse é o nosso judiciário, eu mesmo fui condenado a pagar 2 salários mínimos de pensão, quando ganhava registrado em carteira 1 salário e meio.
E o pior de tudo nem na audiência eu estava, o advogado não sei quem era e nem sequer uma procuração minha ele tinha.
Mesmo assim fui condenado e mas engraçado é que eu só fiquei sabendo dessa condenação 2 anos e meio depois.
Já tinha passado o prazo pra rescisória.
Mas eu sempre tive endereço fixo no processo tanto que 2 anos e meio despois chegou o oficial de justiça em minha casa com uma intimação pra pagar esses anos de pensão.
Tudo isso aconteceu comigo no fórum de São Vicente sp.
Hoje o juiz é desembargador no TJ em São Paulo.
E o advogado é um que não merece ser chamado de advogado.

Não é bem assim

WDS (Advogado Autárquico)

Provavelmente, no seu caso, o juiz nomeou um curador especial, certamente porque você não foi encontrado para citação ou até mesmo pelo fato de ter se ocultado pra não ser citado (propositalmente). O juiz antes de nomear um curador, obrigatoriamente, esgota todas as tentativas de localização, para aí sim citar por "edital".
Não dá pra afirmar que o advogado é ruim porque nesse caso a própria lei permite que se conteste por negativa geral.
No seu caso não há problema quanto a ação rescisória, basta você ingressar com uma ação revisional de alimentos (a qualquer tempo), demonstrando alteração na sua situação financeira, pedindo a redução que entende ser justa. Procure um advogado ou a Defensoria Pública.

Déjà vu

RP Aguiar (Advogado Autônomo - Consumidor)

E não é que o Dr. Sergio Moro e o Dr. Deltan Dallagnol fizeram escola?!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 06/11/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.