Consultor Jurídico

Triângulo Amoroso

Mãe que atribui falsamente paternidade deve indenizar, decide TJ-SP

Genitora que atribui falsamente a ex-companheiro paternidade de filho deve indenizar o suposto pai, que, por muito tempo, acreditou ter laço biológico com a criança. Com esse entendimento, a 8ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo condenou uma mulher por falsa atribuição de paternidade. 

Mulher terá que indenizar o ex-companheiro
123RF

Segundo os autos, depois do término da união estável, a requerida continuou tendo encontros amorosos com o autor com o intuito de reatar o relacionamento, mas nesse mesmo período ela se relacionava com uma terceira pessoa. Depois que engravidou, não sabia quem era o pai da criança, mas optou por atribuir a paternidade ao ex-companheiro.

Somente nove meses depois que o bebê nasceu o autor notou que não se parecia com o bebê; assim, pediu um exame de DNA, tendo a comprovação de que não era o pai biológico da criança.

De acordo com o desembargador Alexandre Coelho, "nítido é o objetivo do autor-pelante de ser reparado pelo engodo da apelada quanto à verdadeira paternidade de seu filho, sendo este claramente o objetivo desta ação. Perante a situação de dúvida, a apelada não poderia imputar a paternidade ao autor com objetividade. Ao omitir tal fato, ela deixou de proceder com a boa-fé que naturalmente se espera das pessoas. E exatamente porque a boa-fé e a confiança regem as relações sociais é que não se poderia exigir do apelante o questionamento da paternidade". 

Na opinião do magistrado, qualquer pai que passa pela situação de saber que não é biologicamente o genitor de seus filhos sofre ofensa aos seus direitos da personalidade, por conta do engano que sofreu, e da afetação da dignidade que merece enquanto pai. "Princípios básicos como o da dignidade, do reconhecimento de sua descendência e prole, do direito à paternidade, são suficientes a fundamentar amplamente a condenação da ré", destacou. 

Completaram a turma julgadora os desembargadores Clara Maria Araújo Xavier e Salles Rossi. A votação foi unânime. Com informações da assessoria do TJ-SP.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 17 de outubro de 2020, 16h17

Comentários de leitores

1 comentário

Direitos e violações de direitos

O ESCUDEIRO JURÍDICO (Cartorário)

De acordo com o desembargador Alexandre Coelho, "nítido é o objetivo do autor-apelante de ser reparado pelo engodo da apelada quanto à verdadeira paternidade de seu filho, sendo este claramente o objetivo desta ação. Perante a situação de dúvida, a apelada não poderia imputar a paternidade ao autor com objetividade. Ao omitir tal fato, ela deixou de proceder com a boa-fé que naturalmente se espera das pessoas. E exatamente porque a boa-fé e a confiança regem as relações sociais é que não se poderia exigir do apelante o questionamento da paternidade".
Na opinião do magistrado, qualquer pai que passa pela situação de saber que não é biologicamente o genitor de seus filhos sofre ofensa aos seus direitos da personalidade, por conta do engano que sofreu, e da afetação da dignidade que merece enquanto pai. "Princípios básicos como o da dignidade, do reconhecimento de sua descendência e prole, do direito à paternidade, são suficientes a fundamentar amplamente a condenação da ré", destacou.

Não se censura o comportamento da apelante que manteve relacionamentos com pessoas diferentes concomitantes. Censurá-la é voltar ao moralismo medieval de parte da população brasileira.
Agora, ela, na dúvida, não poderia dizer, sem fundamento biológico, que o apelante fosse o pai. É irresponsabilidade, que, com justiça, o TJSP mandou reparar.

Comentários encerrados em 25/10/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.