Consultor Jurídico

Prazo de 12 meses

Recuperação da Ricardo Eletro prevê pagamento antecipado de créditos trabalhistas

Por 

A Máquina de Vendas, controladora da Ricardo Eletro, apresentou nesta terça-feira (13/10) a minuta do plano de recuperação judicial. O processo corre na 1ª Vara de Falências e Recuperações de São Paulo. 

Juiz de SP aceitou pedido de recuperação em agosto
Divulgação

O plano prevê o pagamento antecipado de créditos trabalhistas de três mil ex-empregados. A medida poderá ocorrer antes mesmo da assembleia de credores votar o plano. A empresa informou que aguarda apenas a liberação de bloqueios fiscais. Outros cinco mil trabalhadores também poderão ser contemplados.

Segundo a Máquina de Vendas, imóveis poderão ser utilizados para acelerar o pagamento de credores com garantia real e quirografários (sem garantia), respeitada a prioridade dos créditos trabalhistas. 

O plano deve ocorrer de acordo as seguintes diretrizes: 

  • Créditos trabalhistas: serão pagos em até 12 meses, respeitado o teto de 150 salários mínimos por credor, em tabela progressiva de deságio, para não prejudicar os trabalhadores que têm menos a receber; 
  • Créditos com garantia real ou quirografários: pagamento anual por meio de cash sweep (uso do excedente de caixa para amortização antecipada dos valores, juros e outros encargos) após caixa mínimo anual de R$ 100 milhões; 
  • Microempresas e empresas de pequeno porte: créditos de até R$ 1,5 mil serão pagos em 24 meses. Valores que superarem esse limite seguirão a mesma regra estabelecida para os quirografários. 

Recuperação
O juiz Tiago Limongi, da 1ª Vara de Falências, aceitou o pedido de recuperação judicial em agosto deste ano. A Laspro Consultores foi nomeada como administradora judicial. 

O magistrado também liberou R$ 28,8 milhões depositados em um processo de execução fiscal e autorizou o desbloqueio de cartões. A dívida da empresa é superior a R$ 4 bilhões. 

A companhia disse enfrentar dificuldades para receber produtos chineses desde o início da epidemia de Covid-19. Afirma ainda que passou a sofrer com queima de caixa desde que as medidas de isolamento social passaram a vigorar no Brasil. 

Pedro Bianchi, CEO da Ricardo Eletro, disse esperar que a empresa consiga "superar os erros do passado" e "capturar o máximo de acertos". "Temos confiança de que, com humildade, respeito aos credores e à sociedade, buscaremos novos patamares", afirma.

Clique aqui para ler a minuta
1070860-05.2020.8.26.0100




Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 14 de outubro de 2020, 14h28

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 22/10/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.