Consultor Jurídico

Acordes melancólicos

Suprema Corte americana recusa processo de plágio por "Stairway to Heaven"

A Suprema Corte americana recusou-se a aceitar nesta segunda-feira (5/10) um processo sobre direitos autorais de "Stairway to Heaven", clássico do Led Zeppelin, encerrando uma disputa legal de cinco anos.

Reprodução/Led Zeppelin

Um tribunal de primeira instância na Califórnia havia decidido em março deste ano que os roqueiros britânicos não roubaram o riff de abertura da canção "Taurus", de Randy Wolfe, membro de uma banda de Los Angeles chamada Spirit, que apelou em outras instâncias.

Veja abaixo se há similaridades entre as duas músicas:

Inicialmente, o Led Zeppelin ganhou o caso em 2016, quando um tribunal não encontrou provas de que o clássico lançado em 1971 infringia os direitos autorais de "Taurus". No entanto, a decisão foi anulada depois de um recurso, em 2018.

Em 2016, o guitarrista Jimmy Page, processado junto com o vocalista Robert Plant e outro colega do Led Zeppelin, John Paul Jones, testemunhou que a sequência de acordes em questão "existia desde sempre".

O gestor de patrimônio de Wolfe, Michael Skidmore, entrou com uma ação em 2015 exigindo indenização por danos e prejuízos, além de uma citação do compositor para Wolfe, que morreu afogado em 1997 antes de iniciar qualquer procedimento legal.

Wolfe sempre afirmou que merecia crédito como autor de "Stairway to Heaven", chamando a música de "um roubo".

Segundo a agência de notícias France Presse, especialistas convocados pelos solicitantes para o julgamento de primeira instância disseram que tinham semelhanças substanciais entre as partes principais das duas canções.

No entanto, testemunhas de defesa afirmaram que o padrão de acordes usado na melancólica introdução da guitarra do clássico era tão comum que não se aplicava direitos autorais ao trecho.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 6 de outubro de 2020, 15h00

Comentários de leitores

2 comentários

Tentativa de extorsão

kalemos (Bancário)

O sujeito que ingressou com a ação é apenas mais um dos tantos ratos que buscam dinheiro fácil em cima do trabalho dos outros. Se Wolfe quisesse, teria ingressado com a ação em vida. Além disso, a canção tem 8 minutos e o trecho semelhante é apenas o inicial, de alguns segundos. Ainda assim, ficou claro ao longo do processo que essa sequência de acordes é antiga e muito utilizada, sendo praticamente de domínio público. A banda teve um único caso de plágio reconhecido e devidamente pago por eles, em face do bluesman Willie Dixon. O resto é bobagem.

não se quebrou o encanto da juventude...

vanderlei jose dos santos - advogado (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Se a Suprema Corte dos EUA considerasse plágio a música mais significativa, talvez a mais executada da famosa banda, aquela música que é um ícone do Led Zeppelin, fico imaginando o encanto que seria quebrado para quem tanto ouviu, tanto curtiu, tanto idolatrou a banda, se imaginou cantando ou tocando a música na sua juventude e ainda continua a ouvi-la. Saber que os ídolos de tantos anos, não são honestos, e aquela música tão linda é fruto de um ilícito seria algo estarrecedor.
Agradeçamos nós, fãs da banda, que confirmou que a música não é plágio, afinal, seja verdade ou não, quem gosta da banda e da música, não gostaria de ter notícia diferente, pois seria uma grande decepção e a quebra de um encanto cultivado desde a juventude.

Comentários encerrados em 14/10/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.