Consultor Jurídico

Comentários de leitores

4 comentários

Comentário

Afonso de Souza (Outros)

Colocar direitos na Carta é fácil, muito mais difícil é conseguir realizá-los. Lembrando que para todo direito concedido para uns surge, automaticamente, uma obrigação (imposição) para outros.
Chegamos a precisar de um teto de gastos na lei porque gastamos muito mal há muito tempo. Gastamos mal porque pagamos salários e aposentadorias escandalosamente altas a certa elite do funcionalismo, porque corporações de todos os tipos conseguiram se apropriar do orçamento (subsídios, regalias, etc.), porque a corrupção (inclusive ou mesmo principalmente de políticos que são contra o teto) e a incompetência grassam, etc.
Enfim, o problema (real) é bem mais complexo.

Nobre articulista e a escravidão moderna OAB ?

VASCO VASCONCELOS -ANALISTA,ESCRITOR E JURISTA (Administrador)

Por Vasco Vasconcelos, escritor, jurista e abolicionista contemporâneo. Ficaria imensamente feliz se o CONJUR pudesse veicular o Artigo da minha lavra: Salve os 32 anos da Lex Mater X 27 anos de escravidão moderna da OAB, : disponível: https://www.gentedeopiniao.com.br/opiniao/salve-os-32-anos-da-lex-mater-x-27-anos-de-escravidao-moderna-da-oab
Seria de bom alvitre OAB em respeito ao primado do trabalho e a dignidade da pessoa humana, ao livre exercício profissional de QUALQUER TRABALHO (art.5ºX-III, insculpido em nossa Carta Magna e na Declaração Universal dos Direitos Humanos abolir de vez o trabalho análogo a de escravos, a escravidão moderna d OAB, com um pedido de desculpas para cerca de 400 mil cativos ou escravos contemporâneos da OAB, devidamente qualificados pelo Estado MEC jogados ao banimento num verdadeiro desrespeito a dignidade da pessoa humana. Pare de tratar os advogados como (res) coisas para deles tirarem proveitos econômicos. Tudo isso agora depois que OAB/FGV foram flagradas, pasme, PLAGIANDO, questões de outra banca examinadora, para ferrar ainda mais os seus cativos e aumentar o lucro desse sindicato. Segundo o Eg. STF, “A escravidão moderna” é mais sutil do que a do século XIX e o cerceamento da liberdade pode decorrer de diversos constrangimentos econômicos e não necessariamente físicos. A violação do direito ao trabalho digno impacta a capacidade da vítima de realizar escolhas segundo a sua livre determinação. Isso também significa “reduzir alguém a condição análoga à de escravo” (...) “Reduzir alguém a condição análoga à de escravo fere, acima de tudo, o princípio da dignidade humana, despojando-o de todos os valores ético-sociais, transformando-o em res, no sentido concebido pelos romanos” Alô OIT, ajude-nos

Excelente

O ESCUDEIRO JURÍDICO (Cartorário)

As constatações contidas no artigo retratam a realidade brasileira.
Enquanto isso, aos partidos políticos, mais de onze bilhões de reais.

Aplausos para a Dra. Élida Graziane Pinto !!!

Rejane G. Amarante (Advogado Autônomo - Criminal)

Há muitos anos acompanho a sua coluna, muito aprendi e muito fiquei extasiada, em algumas situações, quando a senhora, em linguagem clara e acessível, foi e continua a ser a voz dos invisíveis e dos desgraçados. Força, doutora ! Tmj.
HONRA AO MÉRITO !!!

Comentar

Comentários encerrados em 14/10/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.