Consultor Jurídico

Investimento eleitoral

OAB paulista vai patrocinar transporte de eleitores na eleição da Aasp

Eleição para renovação de terço do conselho da AASP acontece no dia 1º de dezembro

A Associação dos Advogados de São Paulo (Aasp) escolhe semana que vem, na terça-feira, um  terço do conselho diretor da entidade. Quinze dias depois, será eleita a nova diretoria.

A votação acontece das 13h às 18h nas unidades do Centro e no Jardim Paulista, na capital.

Três chapas concorrem aos postos no conselho. A chapa da situação sai em vantagem. Tem o apoio de todos os ex-presidentes da entidade, como Mario Sérgio Duarte Garcia, Roberto Batochio, Mariz de Oliveira, Antonio Corrêa Meyer, Antonio Ruiz, Fábio Ferreira de Oliveira, Clito Fornaciari, Arystóbulo Freitas, Renato Mange, Sérgio Rosenthal, José Rogério Cruz e Tucci, Leonardo Sica, Marcelo von Adamek e Aloísio Lacerda Medeiros. A chapa 2 é composta por ex-dirigentes da Associação dos Advogados Trabalhistas e a terceira resulta da articulação do presidente da OAB-SP, Caio Augusto dos Santos.

O presidente da OAB paulista anunciou esta semana que a entidade vai patrocinar a contratação de ônibus para trazer eleitores do interior e influenciar na eleição. Em encontro organizado por Caio com dirigentes de subseções a tomada da Aasp pelo grupo político que comanda a seccional é um "investimento" que paga os custos da empreitada.

Conheça os postulantes:

Chapa 1: Antonio Carlos de Almeida Amendola, Clarisse Frechiani Lara Leite, Flávia H. Clito Fornaciari Dórea, Leonardo Guerzoni Furtado de Oliveira, Paula Lima H. dos Santos Oliveira, Rodrigo Rocha Monteiro de Castro e Silvia Rodrigues Pereira Pachikoski.

Chapa 2: Adelmo da Silva Emerenciano, Antonio Alfred Karam, Daniel Gonçalves Ortega, Domingos Sávio Zainaghi, Livio Enescu, Nehemias Domingos de Melo e Sarah Hakim.

Chapa 3: Cláudia Maria N. S. Barbosa Santos, Jairo Saturnino Mendes, João Ricardo Brandão Aguirre, Juliana Vieira Mazzei, Marcelo Amaral Colpaert Marcochi, Marlon Luiz Garcia Livramento e Paulo Cesar da Silva Braga.

Integram o terço do conselho, cujo mandato terminará no último dia deste ano, os conselheiros Antonio Carlos de Almeida Amendola, Flávia H. Clito Fornaciari Dórea, Paula Lima H. dos Santos Oliveira, Renato José Cury, Ricardo de Carvalho Aprigliano, Rogério de Menezes Corigliano e Silvia Rodrigues Pereira Pachikoski.

A eleição deste ano marca o fim da gestão do atual presidente, Renato José Cury, que já cumpriu dois mandatos de um ano e não pode ser reeleito.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 25 de novembro de 2020, 19h17

Comentários de leitores

6 comentários

A AASP é um feudo mantido por uma casta há 80 anos (1)

Sérgio Niemeyer (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Há décadas o comando da AASP é exercido por pessoas que integram um mesmo grupo de cerca de 2500 a 3000 advogados no universo dos mais de 100 mil associados.
A grande dificuldade da renovação para tirar a AASP do controle desse grupo é a não obrigatoriedade do voto.
Infelizmente, os advogados associados, que se esperaria serem pessoas mais politizadas e com maior consciência de classe, são, na verdade, em sua esmagadora maioria, como a maioria das pessoas e dos eleitores do País: se o voto é voluntário, não se afetam para votar, para analisar os candidatos, para examinar as propostas, ou o fato de a AASP ser controlada por um grupo diminuto de não mais do que 3000 advogados que se sucedem a cada fim de mandato no conselho e nos órgãos diretivos da entidade.
Parece mesmo que os associados sequer desejam que se lhes prestem contas dos recursos que a AASP arrecada anualmente com as mensalidades e receitas de cursos e eventos que promove.
Infelizmente, esse é o perfil do eleitor brasileiro, e com os advogados, embora sejam pessoas com presumida erudição jurídica, parece não ser diferente. Falta-lhes o espírito de classe que sobeja em outras profissões jurídicas, como os juízes por exemplo, que se reúnem em suas associações e as apoiam incondicionalmente, o que faz com que se pronunciem na defesa dos magistrados como se fossem partidos políticos.
Acordem advogados paulistas, bandeirantes, já somos quase meio milhão só em São Paulo. A AASP, assim como a OAB são um patrimônio da advocacia, e não um instrumento daqueles que as controlam. Todos devemos participar das questões de política de classe e da associação. Se os serviços que esta presta são bons, isso não significa que não podem ser melhorados. (continua)…

A AASP é um feudo mantido por uma casta há 80 anos (2)

Sérgio Niemeyer (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

2(continuação)… Então, vamo-nos aplicar para escolher pessoas de fora do grupo de controle. Todo ano o quórum de votação é praticamente o mesmo, entre 2500 e 5000 associados votantes. Vamos fazer isso ultrapassar a terceira potência de dez e adentrar a quarta potência de dez para atingir marcas nunca antes conseguidas, e, assim, demonstrar para o resto do País que os advogados paulistas não só são dotados de elevada erudição jurídica, mas também de altaneira consciência política, a começar pelas questões de política de classe.

(a) Sérgio Niemeyer
Advogado – sergioniemeyer@adv.oabsp.org.br

O quê? OAB patrocinará transportem-se eleição da AASP?

Mário de Oliveira Filho (Advogado Sócio de Escritório)

Essa atual gestão da OAB, abaixo de qualquer crítica, precisa se explicar.
Três assuntos pontuais:
1- “Privatização” da ESA;
2- Tribunal de Ética;
3- Pagamento de transporte para eleitores da AASP.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 03/12/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.