Consultor Jurídico

Decisão do STJ

Custo de material não pode ser excluído do IRPJ por construtora no lucro presumido

Na sistemática do lucro presumido, empresas de construção civil não podem excluir valores da base de cálculo do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e da contribuição social sobre o lucro líquido (CSLL) que se refiram a materiais usados que tenham sido pagos pelo tomador do serviço.

Materiais usados nas obras foram objeto do julgamento no STJReprodução

Esse foi o entendimento da 1ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) ao julgar recurso especial de um caso envolvendo uma construtora do Rio Grande do Norte. As informações são do portal Jota.

O Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF-5) já havia decidido não haver possibilidade de dedução desses valores, pois configuraria um proveito econômico não permitido pela legislação tributária.

No STJ, os ministros debateram se os gastos seriam considerados receita bruta do contribuinte ou reembolso. Segundo a empresa, os valores foram movimentados na compra de materiais de construção para as obras, e por isso não deveriam entrar na base de cálculo das contribuições.

O ministro relator, Gurgel Faria, votou contra a possibilidade de exclusão. Para ele, seria uma forma de dupla dedução da base de tributação: "Se o contribuinte pretende que sejam considerados determinados custos ou despesas, deve optar pelo regime de apuração pelo lucro real, não se podendo permitir que promova uma combinação de regimes a fim de reduzir indevidamente a base de cálculo dos tributos".

Após pedido de vista, a ministra Regina Helena Costa acompanhou o relator na última terça-feira (17/11). "Os pagamentos realizados pelo contratante pelos materiais empregados na obra, ainda que a título de reembolso, se referem na essência à atividade desenvolvida para a concepção do objeto social da empresa recorrente", pontuou a magistrada.

O ministro Napoleão Nunes também acompanhou o voto, mas fez uma ressalva: "Esses valores recebidos não constituem receita, mas ingresso. Tanto que permanecem por algum tempo e depois são repassados para os adquirentes das unidades habitacionais". Em sua visão, a turma não teria interpretado corretamente o funcionamento do mercado de construção civil.

REsp 1.421.590 (RN)




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 19 de novembro de 2020, 10h10

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 27/11/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.