Consultor Jurídico

Ataque à advocacia

Com contas bloqueadas por Bretas, escritórios vêm passando dificuldades

Por 

Com bens e valores bloqueados pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, escritórios e advogados vêm passando dificuldades financeiras e perdendo clientes.

Marcelo Bretas ordenou o bloqueio de bens de advogados e escritórios
Fernando Frazão/Agência Brasil

Em investigação de supostos desvios de R$ 151 milhões, os bloqueios determinados pelo juiz ultrapassaram R$ 1 bilhão. Ele justificou os valores aplicando a cobrança de "danos morais coletivos" ao montante que teria sido recebido ilegalmente por escritórios — o que não poderia ter sido feito em ação penal, segundo entendimento da 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal.

Os bloqueios vêm complicando a operação dos escritórios. Algumas bancas, especialmente as maiores, estão com dificuldades para pagar os salários de funcionários e gastos correntes, como aluguel. E isso está afetando a vida pessoal dos advogados.

Além disso, clientes de compliance estão abandonando as firmas ou deixando de firmar contratos de prestação de serviço com elas. Um advogado ouvido pela ConJur disse acreditar que fazer os escritórios perderem clientes era um dos objetivos do ataque à advocacia comandado por Bretas.

Decisão de Gilmar
Em 3 de outubro, o ministro do Supremo Gilmar Mendes suspendeu a ação penal e todas as demais medidas cautelares relacionadas ao processo contra a advocacia.

Eurico de Jesus Teles Neto e Marcelo Nobre requereram ao STF a ampliação dos efeitos da decisão de Gilmar para suspender os efeitos do decreto que bloqueou seus bens. Eduardo Filipe Alves Martins e Ana Tereza Basilio fizeram pedidos semelhante, o da advogada limitado ao excedente bloqueado por Bretas.

O procurador-geral da República, Augusto Aras, manifestou-se contra os pedidos de desbloqueio de valores. Segundo ele, ainda que a 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro não seja o juízo absolutamente competente para processar o ataque contra a advocacia, é necessário e juridicamente possível preservar as decisões que ordenaram o bloqueio de bens de advogados. Isso com base no interesse público e para resguardar o resultado da ação penal.

Abusos e ilegalidades
Em cobertura extensiva, a ConJur vem apontando abusos e ilegalidades flagrantes no ataque comandado por Bretas contra advogados. Com mandados genéricos e sem a devida especificação e individualização, foram ordenadas buscas em 33 endereços residenciais de advogados, com claro intuito de intimidação dos profissionais.

Além disso, Bretas invadiu a competência do Superior Tribunal de Justiça ao determinar o cumprimento de mandados na casa de três desembargadores: um deles com mandato no TRE de Alagoas; outro, do TRF-2, casado com uma advogada; e ainda uma terceira, do TRF-3, também casada com um advogado. O bote motivou manifestações de repúdio no meio jurídico.

A investida ainda tem erros de competência, já que a Fecomercio é uma entidade privada e deveria ser investigada pela Justiça Estadual; e de imputação de crimes, já que seus dirigentes não podem ser acusados de corrupção nem peculato. Em outra vertente há quem entenda que, por pretender investigar ministros do STJ e do Tribunal de Contas da União, a competência seria do STF.

Causou estranheza também o fato de Bretas ter aceitado a denúncia contra parte dos alvos praticamente ao mesmo tempo em que ordenou o cumprimento de mandados de busca e apreensão. Segundo especialistas, ou a denúncia estava bem fundamentada, dispensando a busca, ou ainda precisava de elementos comprobatórios, e não deveria ter sido acatada. O Ministério Público Federal do Rio alega que as duas frentes foram abertas porque a investigação ainda está em curso.

O ataque se baseia na delação do ex-presidente da Fecomercio do Rio de Janeiro Orlando Diniz. O empresário já foi preso duas vezes e vinha tentando acordo de delação desde 2018 — que só foi homologado, segundo a revista Época, depois que ele concordou com acusar grandes escritórios de advocacia. Em troca da delação, Diniz ganha a liberdade e o direito de ficar com cerca de US$ 1 milhão depositados no exterior, de acordo com a Época.

Trechos vazados da delação de Diniz ainda mostram que o empresário foi dirigido pelo Ministério Público Federal do Rio no processo. Em muitos momentos, é uma procuradora quem explica a Diniz o que ele quis dizer. Quando o delator discorda do texto atribuído a ele, os procuradores desconversam, afirmando que vão detalhar nos anexos.




Topo da página

 é correspondente da revista Consultor Jurídico no Rio de Janeiro.

Revista Consultor Jurídico, 13 de novembro de 2020, 16h24

Comentários de leitores

5 comentários

Princípio da Culpa

balai (Advogado Autônomo - Civil)

Participei de uma audiência (não gravada) na qual o presidente (juiz) quando provocado, em razão de ataque infundado contra uma das partes, afirmou que no Brasil, em princípio todos são culpados até que provem o contrário... creio que não se referia ao acusador ou aos demais amigos do rei... SEM JUDICIÁRIO INDEPENDENTE E ELEITO PELO VOTO DOS CIDADÃOS NUNCA HAVERÁ DEMOCRACIA NEM O FIM DA ROUBALHEIRA DISTORÇÕES E CORRUPÇÃO

...

LuizD'grecco (Outros)

Concordo plenamente...

Ataque à advocacia?

Fernandarb (Bacharel - Civil)

"ataque à advocacia comandado por Bretas"
Tá de brincadeira? Aff

Investigação necessária

Roberto Fernandes Rocha Barra Dias Moreira (Advogado Associado a Escritório - Criminal)

Sem entrar no mérito, se há ou não legalidade, se realmente os valores bloqueados têm origem ou não em corrupção, sem defender interesse de quem quer que seja, acredito que após o "Mensalão", a Lava Jato e agora o "Covidão", há de se entender e aceitar que a corrupção no país é um "mal sistêmico", diga-se Ministro Teori Zavaski. Após o sucesso dos processos contra políticos e empresários de primeira e segunda linha, executivos de alta plumagem e de elevada estirpe, com a devolução de bilhões comprovadamente originários da corrupção generalizada, não há porque deixar de apoiar as ações das Policias Federal e Estaduais, dos Ministérios Públicos Federal e Estaduais, bem com do Poder Judiciário em Geral. Não podemos concordar nem aceitar que há privilégios nem privilegiados, a lei é para todos. Ninguém, mas ninguém, deve deixar de ser investigado, indiciado e condenado ou absolvido, o que não se pode permitir que diante de indícios de corrupção, de sonegação fiscal, de apropriação indébita, lavagem de dinheiro, bem como de outros delitos praticados por qualquer pessoa, um tribunal superior deve impedir que os inquéritos continuem e que os processos sejam suspensos. Se alguém está com a verdade, tem a verdade, vive na verdade e trabalha com a verdade, não tem porque temer as investigações e os processos. Isso é uma nova cultura, uma mudança de paradigma que está impregnado na sociedade que exige a ação efetiva do Estado e que toda "investigação é necessária e saudável, e os culpados devem ser punidos com o rigores da lei, não importando a sua "plumagem ou estirpe", portanto a "INVESTIGAÇÃO ´´E NECESSÁRIA" doa em quem doer.
"NUNCA SE DEVE ACEITAR A PUNIÇÃO DE UM INOCENTE E NEM DE NÃO CONDENAR UM DELITUOSO " A liberdade é um bem maior, com o é a vida"

"O Justo Juiz"

Maria I (Outros)

EXCELENTE!!!! É o Mínimo que se deve fazer, é Bloquear Bens. Na verdade deveriam ir a Forca. "Quem rouba o pão da viúva e do órfão" .
""Um homem que rouba dinheiro público, contribuindo para a desgraça e morte de um povo, merece receber a mesma condenação dos piores assassinos e terroristas da terra.
E tão sujos quanto estes, são os seus apoiadores.""

Marcos kito

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 21/11/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.