Consultor Jurídico

Paralisação Temporária

PGR diz que turma do STJ deve julgar recurso de Lula no caso do tríplex

Por 

A Procuradoria-Geral da República disse que o Superior Tribunal de Justiça deve julgar recurso em que o ex-presidente Lula pede a suspensão temporária do processo do tríplex. A defesa do petista afirma que a paralisação deve ocorrer até que o Supremo Tribunal Federal decida sobre a suspeição do ex-juiz Sergio Moro e de procuradores da República de Curitiba.

Em manifestação, Aras disse que STJ deve apreciar recurso de Lula
Rosinei Coutinho/SCO/STF

A manifestação, assinada pelo PGR, Augusto Aras, e pela subprocuradora-geral da República, Lindôra Maria Araújo, foi endereçada ao ministro Luiz Edson Fachin, do STF. 

O caso envolve um vaivém processual iniciado em dezembro de 2018. Inicialmente, a defesa de Lula pediu que o ministro Felix Fischer, relator do caso do tríplex na 5ª Turma do STJ, suspendesse o andamento da ação contra o ex-presidente, já que a eventual suspeição de Moro poderia gerar a anulação de todo o processo. O pedido foi negado.

Em seguida, os advogados do petista solicitaram que a questão fosse levada para a 5ª Turma do STJ. Fischer voltou a rejeitar o pleito, dizendo que a defesa de Lula buscava agravar despacho sem carga decisória.

Em Habeas Corpus ajuizado no Supremo, Lula diz que Fischer usou de fundamentação inidônea para barrar o instrumento recursal e que, embora o pedido de suspensão processual tenha sido negado via despacho, o ato do ministro do STJ teve, sim, carga decisória. 

A PGR se manifestou no mesmo sentido. "Em que pese a denominação de despacho, o pronunciamento judicial [de Fischer] possui carga decisória, não se tratando de mero impulso processual. Por conseguinte, há que se reconhecer a sua recorribilidade, assim, como o interesse de Lula em ter a matéria apreciada pela 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça", diz Aras e Araújo. 

Em liminar, Fachin já havia negado o HC, sob o fundamento de que não havia identificado ilegalidade manifesta na decisão de Fischer. O caso agora será apreciado pela 2ª Turma do STF. 

A defesa do ex-presidente é feita pelos advogados Cristiano Zanin, Valeska Martins, Maria de Lourdes Lopes e Eliakin dos Santos

HC 192.045/PR




Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 9 de novembro de 2020, 21h31

Comentários de leitores

3 comentários

Quando será?

Fran Jose365 (Advogado Autônomo - Civil)

Quando será q nós livraremos desse buraco sem fundo de intermináveis recursos protelatórios do Sr. MoLusco ? Nunca, antes, na história desse país, tanto mal causou um ex-presidente. Jesus, Misericórdia.

Ainda há esperança!

Raul Xavier (Professor)

Ainda há esperança de que o direito prevaleça sobre as Querelas políticas e ideológicas, nem que seja através de outras querelas políticas ideológicas, no caso as existentes entre o Sr. procurador Aras e o punitivismo lava-jatista que lhe antagoniza na procuradoria, e se personifica na pessoa do excelentíssimo senhor Fachin que nos mostra que a justiça deve ser cega, e não ter olhos apenas para uma ideologia que sonha em ser política de Estado, más que não tem o humanismo que nossas leis promulgam, por tanto, trabalha fora do escopo legal.

Ridículo V

amigo de Voltaire (Advogado Autônomo - Civil)

Ridículo.

Comentários encerrados em 17/11/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.