Consultor Jurídico

Nexo de causalidade

Excesso de prazo em processo de aposentadoria gera indenização, decide TJ-MS

Por 

Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul condena Estado a indenizar servidor por demora no processo de aposentadoria
123RF

A Administração Pública é responsável por eventuais danos decorrentes de sua demora em apreciar pedido de aposentadoria de agente público (conduta omissa); também é responsável por eventuais danos decorrentes de sua conduta de exigir que o agente público continue a exercer suas funções durante o trâmite administrativo do aludido pedido (conduta ativa).

Com base nesse entendimento, o juízo da 3ª Câmara Cível do TJ-MS decidiu condenar, de forma unânime, o estado de Mato Grosso do Sul a indenizar um policial pelo excesso de prazo na conclusão do seu processo de aposentadoria.

O juízo da primeira instância julgou a ação improcedente e o autor apresentou recurso ao TJ-MS. Na apelação, o servidor alega que não há justificativa plausível para o atraso de um procedimento objetivo e que a ineficiência do Estado o prejudicou.

Ao analisar a matéria, o relator do caso, desembargador Dorival Renato Pavan, explicou que, para que reste configurada a responsabilidade do Estado, são necessários três pressupostos. O primeiro é um fato administrativo — qualquer forma de conduta comissiva ou omissiva atribuída ao Poder Público —, dano e nexo causal.

“Todavia, a despeito dessa complexidade, não há justificativa plausível para que o pedido tivesse sido deferido oito meses depois, de modo que acabou causando prejuízo ao servidor, que foi obrigado a ser mantido na ativa por culpa do requerido, sendo indiscutível o nexo de causalidade pelos danos sofridos”, aponta.

Diante disso, o relator votou por condenar o estado de Mato Grosso do Sul ao pagamento de indenização ao autor em valor que deve deverá ser calculado com base no montante da remuneração percebido à época entre as datas do requerimento e a efetiva concessão de aposentadoria. O autor da ação foi representado pelo Carneiro, Fernandes e Hammarstron Advogados.

Clique aqui para ler a decisão
0800377-50.2019.8.12.0037




Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 3 de novembro de 2020, 16h21

Comentários de leitores

1 comentário

Falta de respeito

Simone Paixão (Funcionário público)

Meu requerimento de revisão de CTC ficou mais de um ano em análise no INSS . Até agora não consegui me aposentar, com 59 anos e tempo de contribuição superior a trinta anos.

Comentários encerrados em 11/11/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.